Universidade Estácio de Sá Entre no Campus Virtual

 



 






Clique nos livros para conhecê-los.
  MESTRADO EM EDUCAÇÃO  
 


Linhas de pesquisa Tecnologias de Informação e Comunicação nos Processos Educacionais

Dissertações concluídas em 2003

Título: Educação do surdo, linguagem e inclusão digital

Autora: Guilherme de Azambuja LIRA
Orientadora: Profª Estrella Bohadana
Número de páginas: 122

Resumo

A pesquisa teve como objetivo investigar possibilidades de uso de legendas, geradas ou não por closed caption, como alternativas às informações sonoras dirigidas a grupos de surdos. Trata-se de um estudo de casos múltiplos, localizados em três regiões geográficas brasileiras, de natureza predominantemente qualitativa, mas que também se valeu de dados quantitativos. O fato de que a Língua Brasileira de Sinais (LIBRAS) é a língua natural da comunidade surda e a constatação de que, no Brasil, existem poucos projetos voltados à aprendizagem e domínio da lectoescrita para essa população levou-nos a refletir sobre até que ponto os grupos de baixa escolaridade, em geral, teriam possibilidades de entender informações apresentadas em textos legendados. Isto nos levou a investigar a seguinte questão: até que ponto a pessoa surda, no Brasil, pode desfrutar das legendas em lugar das informações sonoras? A resposta a essa indagação foi obtida por meio de 50 questionários, e os resultados, analisados à luz de abordagens teóricas, como as de Quadros, Ferreiro, Stokoe, Couto, Carnio, Miranda, Sá, entre outros. A pesquisa evidenciou que os sujeitos dessa população, embora tivessem completado o Ensino Médio, não demonstraram domínio suficiente da leitura e da escrita que propiciasse uma compreensão adequada das informações contidas nas legendas apresentadas. As variações socioeconômicas entre os sujeitos investigados, tais como escolaridade dos pais, renda familiar e região em que residem, demonstraram ter pouca influência nos resultados obtidos. Os sujeitos pesquisados concordaram que a utilização de legendas, em vez de informações sonoras, pode vir a ser grande aliada na construção do conhecimento. Ao mesmo tempo, ressaltaram preferência por intérpretes ou por textos legendados mais lentos. Concluiu-se que o uso de legendas não atenderá, em curto prazo, às demandas da comunidade surda, que necessita conhecer a língua portuguesa por meio da LIBRAS. A disseminação da LIBRAS exigiria, porém, que esta fosse incluída nos currículos universitários de formação docente, pois só assim os professores estariam adequadamente preparados para ensinar os 5.7 milhões de surdos brasileiros. No entanto, com o apoio de outras tecnologias de comunicação e informação, que não exigem o domínio pleno da língua portuguesa, como um tradutor eletrônico, convertendo para LIBRAS as diversas mídias, tais como, voz, TV, livros, internet, em curto prazo seria possível responder parcialmente às demandas dos que hoje se encontram excluídos da comunicação pela surdez.

Palavras-chave: educação do surdo; linguagem e inclusão digital; LIBRAS

:: Docentes
:: Projetos de pesquisa em andamento
:: Dissertações concluídas em 2003

 


voltar | topo