Universidade Estácio de Sá Entre no Campus Virtual

Dúvidas do dia-a-dia

Indicações de Leitura

Ortografia, letra e alfabeto, notações léxicas - acento, til, trema, apóstrofo, cedilha, hífen - e regras de acentuação, em 55 perguntas.

Pontuação

1. Por que empregamos LETRAS?
As letras - um certo número de sinais gráficos - são utilizadas para reproduzirmos, na escrita, as palavras de nossa língua.

2. O que é ALFABETO?
É o conjunto ordenado das letras de que nos servimos para transcrever os sons da linguagem falada.

3. E quais são essas letras?
São as seguintes, maiúsculas/minúsculas:

A, a (á)
B, b (bê)
C, c (cê)
D, d (dê)
E, e (é, ê)
F, f (efe, fê)
G, g (gê, guê)
H, h (agá)
I, i (i)
J, j (jota, ji)
L, l (ele, lê)
M, m (eme, mê)
N, n (ene, nê)
O, o (ó, ô)
P, p (pê)
Q, q (quê)
R, r (erre, rê)
S, s (esse)
T, t (tê)
U, u (u)
V, v (vê)
X, x (xis)
Z, z (zé)

Entre parênteses estão os nomes tradicionais das letras e algumas variantes.

4. E as letras K, W e Y?
Bem o K, k (cá), o W, w (vê-duplo, doble-vê ou dáblio) e o Y, y (ípsilon) não são letras do nosso alfabeto, mas são empregadas em dois casos:

Na transcrição de nomes próprios estrangeiros e de seus derivados portugueses:
Bismarck, bismarckismo
Shakespeare, shakespeariano
Kant, kantismo
Byron, byroniano
Wagner, wagneriano
Newton, newtoniano
Taylor, taylrismo

Nas abreviaturas e nos símbolos de uso internacional:
K. (= potássio)
kg (= quilograma)
km (= quilômetro)
W. (= oeste)
w (= watt)
yd (= jarda)
Y (yttrium) = ítrio
Yb (ytterbium) = itérbio

5. Quando se usa o h?
No passado, dentre uma grande variedade de usos, usávamos o h para marcar o hiato entre duas vogais diferentes: sahida (saída), poher (por poer, hoje pôr), mãho (por mão).

Hoje, usamos o h:

a) no início de certas palavras: herbívoro, hoje;
b) no fim de algumas interjeições: oh!, ah!;
c) no interior de palavras compostas, em que o segundo elemento, iniciado por h, se une ao primeiro por hífen: pré-histórico, super-homem;
d) nos dígrafos ch, lh e nh: chave, talho, banho.

6. O que são NOTAÇÕES LÉXICAS?
São sinais auxiliares destinados a indicar a pronúncia exata da palavra.

7. Quais são eles?
O til, o trema, o apóstrofo, a cedilha, o hífen e o acento.

8. Quando se emprega o til (~)?
Emprega-se sobre a e o para indicar a nasalidade dessas vogais.: maçã, sermões.

9. E o trema (¨)?
Só se emprega para assinalar o u que se pronuncia nas sílabas gue, gui, que e qui: agüentar, cinqüenta, tranqüilo.

10. E o apóstrofo (')?
O apóstrofo serve para assinalar a supressão de um fonema - geralmente a de uma vogal - no verso, em certas pronúncias populares e em palavras compostas ligadas pela preposição de: esp'rança (de esperança), 'tá (de está), galinha-d'água.

11. O que é cedilha?
Cedilha é a forma diminutiva do espanhol ceda, a qual é hoje representada por um pequeno c virado para trás, que se coloca abaixo do c, que então se denomina cê cedilhado, usado antes de a, o e u para representar [s]: caçar, cresço, muçulmano.

12. Quando se usa o hífen (-)?
Usa-se:

a) para ligar os elementos de palavras compostas ou derivados por prefixação: couve-flor;
b) para unir pronomes átonos a verbos: retive-o;
c) para, no fim da linha, separar uma palavra em duas partes: estudan-/te.

13. O que são ACENTOS?
São sinais auxiliares destinados a indicar a pronúncia exata da palavra.

14. Quais são eles?
Acento agudo (´), acento grave (`) e acento circunflexo (^).

15. Quando se emprega o ACENTO AGUDO?
Empregamos para assinalar:

a) as vogais tônicas fechadas i e u: aí, baú, horrível, açúcar;
b) as vogais tônicas abertas e semi-abertas a, e e o: há, pé, pó, herói.

16. E o ACENTO CIRCUNFLEXO?
Esse acento é empregado em e e o fechados e no a nasal: bêbado, êxito, fôlego, vôo, gênio, cômico, cântico, câmara. Na terminação -em, -ens, entretanto, usamos acento agudo: armazém, armazéns.

17. Ainda usamos o ACENTO GRAVE?
Sim. O acento grave é exclusivo no a para indicar que vale por dois (fusão de aa: "crase") ou para marcá-lo como preposição a. Assim, é empregado para indicar a crase da preposição a com a forma feminina do artigo (a, as) e com os pronomes demonstrativos a(s), aquele(s), aquela(s), aquilo.
Exemplos:
o Vou falar a a moça - Vou falar à moça.
o Vou a aquela cidade - Vou àquela cidade.

No passado usávamos esse sinal em palavras como cafezinho (cafèzinho), somente (sòmente), etc.

18. Será mesmo necessário usarmos os acentos?
Sim, para que haja a correta leitura.
Basta observar o par contem/contém. A primeira forma é origina-se do verbo contar; a segunda, do verbo conter. Sem acento, fica difícil a leitura. E há muitos outros exemplos: sai/saí, sabia/sabiá, hábito/habito, etc.
Em certos casos realmente não há necessidade de acento: vôo, por exemplo. Acento para quê?

Para entender como funcionam algumas das regras de acentuação, será necessário dominar alguns conceitos básicos: monossílabos (átonos e tônicos), oxítonos, paroxítonos, proparoxítonos, hiatos, ditongos, etc.

19. Que são palavras monossílabas?
São aquelas que, quanto ao número de sílabas, têm apenas uma sílaba. Por exemplo: mão.
Podem ser átonas ou tônicas.
Átonas são aquelas que são pronunciadas fracamente. Por exemplo, a preposição de em "casa de Pedro". Acaba transformando-se em "casa diPedro". São átonos os artigos (o, a, os, as, um, uns), os pronomes pessoas oblíquos (me, te, se, o, a, lhe, nos, vos, os, as, lhes e suas combinações: mo, to, lho, etc.), o pronome relativo que, as preposições (a, com, de, em, por, sem, sob), as combinações de preposições e artigo (à, ao, da, do, na, no, num, etc.), as conjunções e, mas, nem, ou, que, se, as formas de tratamento dom, frei, são, seu.

20. Que são palavras oxítonas?
São aquelas em que o acento (intensidade) recai na última sílaba. É o caso de javali. Há três sílabas: ja-va-li. Consideramos li a última sílaba. E como é a mais forte, dizemos que essa palavra é oxítona.
Outro exemplo: cipó. Duas sílabas. A última é pó, a mais forte; é também uma palavra oxítona.
Outros exemplos: sabiá, caratê, mudar, nenhum, sofá, papel, canil, aiatolá, pavê.
Como podemos perceber, nem todas recebem sinal (acentos). As regras de acentuação irão definir o porquê da acentuação ou não de cada uma delas.

21. E paroxítonas?
São aquelas cuja sílaba tônica é a penúltima: misantropo, alimento, látex, dólar, pedra, gente.

22. E proparoxítonas?
São aquelas cuja sílaba tônica é a antepenúltima: bárbara, lâmpada, líquida, biótipo, pérola, cítrico, neófitos, lágrima.

23. Quando ocorre o hiato?
Ocorre hiato quando duas vogais vêm em seqüência, mas ficam em sílabas diferentes:
Exemplos:
Sa-í-da, ca-in-do, ra-iz, ca-ir, co-e-lho, vi-ú-va.
Outros exemplos:
Ru-í-nas, ra-i-nha, la-da-i-nha, bo-ê-mia, do-en-ti-a, vi-gi-a, po-e-ta, mo-e-da, pi-a-da, a-ba-di-a, a-la-ú-de.


24. Quando ocorre ditongo?
Quando há o encontro de uma vogal + uma semivogal, ou de uma semivogal + uma vogal. Os ditongos podem ser decrescentes e crescentes, orais e nasais.
Exemplos:
Pai - ditongo decrescente oral = vogal a + semivogal i
Qual - ditongo crescente oral = semivogal u + vogal a
Mão - ditongo decrescente nasal = vogal a + semivogal [w]

25. Qual é a legislação que rege a acentuação gráfica?
O Acordo Ortográfico Luso-Brasileiro de 1943 disciplinou a acentuação gráfica em 16 regras e 17 observações. A Lei n.º 5.765, de 1971, simplificou esse conjunto com a abolição de duas regras - a do acento diferencial de timbre e a do acento subtônico - e de duas observações.


26. FÁBRICA tem acento?
Sim. Os vocábulos em que a antepenúltima sílaba é forte são sempre acentuados. São os proparoxítonos. Todos são acentuados: fábrica, lâmpada, estávamos, fôssemos; Américo, Dâmaso, etc.
Incluem-se os vocábulos que terminam em duas vogais fracas - proparoxítonos relativos ou eventuais: área(s), gêmeo(s), ânsia(s), espécie(s), vário(s), mágoa(s), água(s), tênue(s), míngüe(s, m), mútuo(s), Gecília, Antônio, etc.

27. JÚRI tem acento?
Claro! Júri tem duas sílabas, e sua penúltima sílaba é forte. É um vocábulo paroxítono.
Os paroxítonos terminados em -i(s), -us; -ã(o)(s), -om, -ons; -um, -uns; -l, -n, -r, -x, -ps: júri(s), bônus; Vênus; órfã (o) (s), rádom, rádons, elétrons, álbum, álbuns; fácil, hífen, éter sílex; bíceps, etc.
Esta regra não vale para os prefixos - anti, super, etc.: anti-humano super-homem, etc.
Assim, cuidado! Paroxítonos terminados em -a(s), -e(s), -o(s), -am, -em e -ens não são acentuados: casa, coisas, peles, motos, contam, contem, hífens.

28. SABIÁ tem acento?
Sim, claro! Sem acento teríamos o vocábulo sabia (ele sabia, do verbo saber).
Sabiá é uma palavra oxítona, e acentuamos as oxítonas terminadas em -a(s), -e(s), -o(s), em, -ens.
Exemplos:
Sabiá(s), café(s), você(s), avó(s), avô(s), armazém, armazéns; Brás; Diná, Inês; Moisés; Queirós, etc.

Incluem-se as formas verbais seguidas de pronome: apresenta-la, revê-los, repô-la, etc.

Cuidado, muito cuidado! Há uma tendência a acentuar formas como atingi-lo, feri-lo, etc. Não há acento em palavras oxítonas terminas em i. Só haverá acento, se houver hiato: construí-lo.

29. Por que papéis tem acento?
Porque nas seqüências ei, eu, oi - ditongos - acentuamos a primeira vogal quando aberta e em sílaba tônica: idéia(s), papéis, céu(s), herói(s), etc.

Mas não há acento em ideiazinha, papeizinhos, chapeuzinho(s), heroicamente, etc., em que as vogais abertas não estão em sílaba tônica.

30. Por que em argüir se usa trema?
Porque o u é pronunciado de forma átona. Coloca-se trema sobre a letra u pronunciada atonamente nos grupos gue, gui, que, qui, nos quais acaba ocorrendo ditongo crescente.
Exemplos:
Subseqüente, ambigüidade, eqüino, ungüento, tranqüilo, lingüística, etc.

31. Sangüinário ou sanguinário?
As duas formas estão corretas. Há vocábulos em que é indiferente o uso do trema: liquidário/liqüidário, séquito/séqüito, retorquir/retorquir, equidistância/eqüidistância, etc.

32. Por que argúi leva acento?
Porque sempre que nas seqüências gue, gui, que, qui a letra u for pronunciada de forma tônica, haverá acento agudo.
Exemplos: Argúem, apazigúe, averigúe, obliqúe, etc.

33. Por que Bangu não leva acento? E Parati?
Simples: palavras oxítonas terminadas em i e u não são acentuadas. Só haveria acento, se existisse um hiato.

34. E por que baú leva acento? E Itajaí?
Justamente porque em baú temos um hiato: ba-ú. E em Itajaí também: Itaja-í. Acentuamos i e u:

a) se forem tônicos;
b) se forem precedidos de vogal não idêntica;
c) se não houver uma vogal tremada antes;
d) quando fecham sílaba com ou sem s imediato
e) se não forem seguidos de nh.

Exemplos:
- genuíno, miúdo, faísca, reúne. Mas, cuidado: genuinamente; miudamente; faiscazinha, reunir (i, u em sílaba não tônica);
- papagaíce; carnaúba. Mas, cuidado: vadiice, paracuuba (i, u precedidos de vogal idêntica);
- egoísta, ensaísta, atribuíra(m), contribuído. Cuidado: lingüista, argüira, delinqüido (i precedido de vogal tremada);
- saía, saíra(m), saído, abaúla, juízes, país(es). Muito cuidado: saiu, sair(mos), saindo, paul, pauis ,juiz, raiz [fechamento de sílaba com elemento que não i(s), u(s)];
- cocaína, cafeína. Atenção: rainha, fuinha (i seguido de nh).

35. Porque VÔO e CRÊEM têm acento?
Porque recebe acento circunflexo a primeira vogal das terminações -eem e -oo(s): crêem, vôo(s), etc.
A terminação -eem é exclusiva de quatro verbos e seus derivados: crêem, dêem, lêem, vêem: descrêem, redêem, relêem, antevêem, prevêem, provêem (verbo prover), revêem.

Não confundir esse -êem com o -êm da regra seguinte: provêem (vb. prover)/provêm (vb. provir).
Observação - Trata-se de acento oficial, mas que contraria a regra geral subjacente: sem acento, creem, voo(s), etc. teriam a mesma leitura.

36. Ainda existem acentos diferenciais?
Sim. Ainda usamos os acentos agudo e circunflexo para distinguir vocábulos diferentes que se escrevem com as mesmas letras ("homógrafos"). Ë o acento diferencial, em princípio abolido pela Lei nº 5.765/71. É o que temos em pára (verbo parar) e para (preposição).

37. Por que vêm tem acento?
Porque temos aí o acento diferencial morfológico - é o circunflexo marcador de plural (eles/elas):

- ele tem - eles têm
- eles vem - eles vêm

Outros casos: contém - contêm; detém - detêm; mantém - mantêm; convém - convêm; intervém - intervêm; provém - provêm.

38. E por que pôde tem acento?
Nesse único caso, temos o acento diferencial morfológico-fonético.
Na forma verbal pôde (v. poder), do passado ("pretérito perfeito"), que assim se diferencia de pode, do presente. Ele hoje pode fazer o trabalho. Ontem ele não pôde.

39. Pêra tem acento?
Sim. Comi uma pêra. Com acento. Se a fome aumentar, comerei outra pêra, com acento também. Comi duas peras. E peras não tem acento. Incrível, não é?

Usamos ainda os acentos agudo e circunflexo para distinguir vocábulos diferentes que se escrevem com as mesmas letras (homógrafos). É o acento diferencial, em princípio abolido pela lei nº 5.765/71. Mas restam alguns casos, a saber:

- acento diferencial morfológico - circunflexo marcador de plural.

- acento diferencial morfológico-fonético: na forma verbal pôde do pretérito perfeito, que assim se diferencia da forma pode, terceira pessoa do singular do presente.

- acento diferencial fonético, para a oposição tônico/átono (intensidade) e, entre tônicos, a oposição aberto/fechado.

Principais casos:

1. têm - terceira pessoa do plural do presente do indicativo.
tem - terceira pessoa do singular do presente do indicativo.

2. vêm - terceira pessoa do plural do presente do indicativo.
vem - terceira pessoa do singular do presente do indicativo.

Atenção para as formas derivadas:
contêm/contém
detêm/detém
mantêm/mantém
convêm/convém
intervêm/intervém
provêm/provém

3. pôr - verbo: Vou pôr este pacote sobre a mesa.
por - preposição. Não sei por onde ele foi.

4. pôla(s) - substantivo (rebento ou broto de árvore).
pola, polas - aglutinação da antiga preposição por com a forma arcaica do artigo ou pronome la(s).
póla(s) - substantivo (surra)

5. côa, côas - do verbo coar (ele côa, tu côas o café), ou substantivo, ou topônimo.
coa, coas - aglutinação da preposição com ao artigo a(s).

6. pára - do verbo parar e elemento de palavra composta. Pára de falar! Pára-brisa.
para - preposição. Para mim está tudo certo.

7. péla, pélas - do verbo pelar (ele péla, tu pélas) ou substantivo (nome de certo jogo de bola).
pela, pelas - aglutinação da preposição per ao artigo ou pronome la(s).

8. pêra - substantivo (o fruto da pereira).
pera - forma arcaica e popular da preposição para.
péra - elemento do substantivo composto péra-fita (grande pedra).

9. pêlo(s) - substantivo (cabelo, penugem).
pelo, pelos - aglutinação da preposição per ao artigo ou pronome lo(s).
pélo - do verbo pelar. Eu pélo.

10. pôlo(s) - substantivo (falcão, açor ou gavião novo).
polo, polos - aglutinação da antiga preposição por com a forma arcaica do artigo ou pronome lo(s).
pólo(s) - substantivo (extremidade do eixo da Terra, nome de um jogo).

40. O til é um acento?
O til é um n estilizado que se usa sobre o a e o o das terminações -ã(s), -ães; -ão(s), -õe(s, m). Não é propriamente um acento, mas acaba funcionado como se assim fosse. É só observar: a manha da criança/a manhã está linda.

Exemplos de vocábulos com til:
alemã(s), alemães; cristão(s), grã-fino(s), corações, compõe(s, m).
Só há ti interno em vocábulos derivados: cristãmente, irmãozinho(s), etc.
Também em ãatá, tucumãí (vocábulos indígenas) e cãibra, em que não há outra maneira de escrever (embora cãibra tenha variante, oficial: câimbra).

41. Palavras com hífen levam acento?
Os grupos com hífen têm autonomia: água-de-colônia, herói-cômico, ínfero-posterior, pára-quedas; etc.

42. Abreviaturas têm acento?
Nas abreviaturas, persistem os acentos nas letras que os têm nas formas plenas:
Fís. (Física)
gên.
(gênero)
Lóg.
(Lógica)
núm.
(número)
pág., págs.
(página, páginas)
séc., sécs.
(século, séculos)
vm.cê ou vm.cê
(vossemecê ou vosmecê)

43. Por que Luiz não tem acento?
Os substantivos próprios obedecem às mesmas regras de acentuação dos substantivos comuns: Flórida/flórida, Hortênsia/hortênsia, Íris/íris, Diná, Elói, Criciúma/criciúma, Suíça/suíça, Vietnã (ou Vietname), etc.

44. E no caso de Luíz, com acento?
No caso de nomes próprios, muitas vezes acontecem tragédias: quem escolhe não conhece as regras de ortografia, de acentuação gráfica, etc. Quem registra, desconhece mais ainda, e o resultado é de assustar.
Quem quiser, pode (e em papéis oficiais deve) manter a escrita do seu nome conforme consta no registro civil, ainda que contrarie normas ortográficas: Luíz, Antonio, Zilah, etc. Em escritos não oficiais é bom grafar sempre pela ortografia oficial vigente: Luís, Antônio, Zilá.

45. Alibi ou álibi?
Álibi. As palavras latinas não são acentuadas: animus, habeas corpus, in limine, curriculum, campus, superavit, deficit, etc.
Mas, muitos vocábulos já foram adaptados à nossa língua: assim, temos álibi (de alibi), grátis (de gratis), superávit (de superavit), défice (de déficit), etc.

46. Estrangeirismos são acentuados?
Palavras estrangeiras, quanto à acentuação, devem seguir as regras das línguas de origem.
Exemplos: grisé, habitué, casse-tête, démarche, etc.

47. Prefixos levam acento?
Os prefixos são, em regra, elementos átonos e, por isso, não devem ser acentuados.
Exemplos:
Anti-humano, semi-aberto, super-homem, etc.

48. E, afinal, é além-túmulo ou "alem-túmulo"?
O correto é acentuar além. Por quê? Porque há alguns prefixos e elementos prefixados tônicos que têm evidência semântica; naturalmente, obedecerão às regras de acentuação em que se enquadrarem.
Exemplos:
além-, américo-, anátomo-, ântero-, aquém-, ásio-, és-, êxtero-, ínfero-, íntero-, lés-, oés-, pós-, póstero-, pré-, pró-, recém-, súpero-, etc.

49. É avaro ou "ávaro"?
O correto é avaro.
Há muitas palavras que, inexplicavelmente, recebem freqüentemente acentos indevidos. Cuidado com elas: Andronico, agave, avaro, batavo, ciclope (essa é campeã!), dextrogiro, filantropo, levogiro, libido, misantropo, ibero, pudico, impudico, opimo, rubrica, barbaria, maquinaria, mercancia, Normandia, zigoma. São palavras paroxítonas.

50. É gratuito ou "gratuíto"?
É gratuito, claro! Nessa palavra há ditongo, não hiato.
Outros exemplos:
Fluido, fortuito, druida, arcaico, judaico, maio, etc.

51. Qual é o correto: hifens ou "hífens"?
Hifens, com certeza. Sem acento. Com acento, somente no singular: hífen.
Dolmens, edens, germens, liquens, polens, item, itens, totem são palavras que também não levam acento.

52. Cáqui ou caqui?
As duas formas existem: caqui (fruta) é um vocábulo oxítono, como aqui; cáqui (uma cor) é um vocábulo paroxítono, acentuado.

53. Grau ou "gráu"?
Grau, é claro. Só há três ditongos acentuados: éi, éu, ói. Assim, não levam acento palavras como degrau, mau, caos, etc. Mas, são acentuados: céu, coronéis, girassóis, etc.

54. Pôr ou por?
Sem acento: preposição (Ele passou por bons momentos); com acento: verbo (Vou pôr um fim nesse assunto).

55. Propor ou "propôr"?
Propor. Infinitivos derivados de pôr não são acentuados: propor, repor, depor, etc.