Logo Estácio



NOTÍCIAS

Concertinhos de Eva



Estácio - 10/10/2017 às 15:15

Com o patrocínio da Prefeitura da Cidade do Rio de Janeiro, da Secretaria Municipal de Cultura e da Estácio, o projeto Concertinhos de Eva realizou 8 concertos musicais na Casa Museu Eva Klabin, entre março e junho 2017, para alunos de Escolas Municipais e para o público espontâneo.

Concertinhos de Eva é um projeto cultural que visa a divulgar música de várias épocas e estilos, através de concertos voltados especialmente para o público infantil e suas famílias. Atinge um público de faixa etária propícia a receber novos estímulos e informações, favorecendo a formação de novas plateias tanto para a música quanto para as artes visuais, já que é realizado no espaço de um museu.

 
foto-1
foto-1
foto-1
foto-1

Conheça o roteiro do Rolé Carioca em 2017



Estácio - 28/06/2017 às 10:15

Cinco anos de caminhada pelas ruas do Rio. 2017 é, assim, um ano de celebração para o Rolé Carioca. Mais de 30 roteiros e mais de 100 km percorridos, com mais de 15 mil pessoas passeando pelas ruas da cidade. Realizado pelo estúdio M’Baraká, o Rolé Carioca tem os professores Rodrigo Rainha e William Martins, da Estácio, como guias-performances dos passeios, que esse ano passará pelos seguintes bairros: Glória, região da Central do Brasil, Bangu, Santa Teresa, Cachambi e São Cristóvão, cumprindo a tradição de apresentar o Rio para além dos estereótipos dos cartões postais. A edição 2017 traz ainda mais uma novidade: um passeio especial para portadores de deficiência visual.

“Caminhar pela cidade sem rumo ou sem preocupação, flanar, nas palavras de Baudelaire, é divagar pelo espaço urbano e apreciar suas sutilezas. Explorar a cidade é também um movimento para transformá-la, compreendendo sua história e percebendo suas nuances, signos e deformidades.” Diz Isabel Seixas, coordenadora do projeto. O encontro de moradores e visitantes com a cidade, sua história viva e em constante transformação é o objetivo do Rolé Carioca.

A Estácio patrocina o Rolé Carioca por meio da Lei Municipal de Incentivo á Cultura (ISS). Essa é uma iniciativa do pilar Estácio Cultural do Programa de Responsabilidade Social Corporativa da Estácio – Educar para Transformar.

o Festival Rio H2K é uma iniciativa do pilar Cultura do programa de Responsabilidade Social Corporativa da Estácio – Educar para Transformar.

 
foto-1
foto-1
foto-1
foto-1

Estácio patrocina o Festival Rio H2K



Estácio - 05/06/2017 às 11:32

Entre os dias 13 e 18 de junho, o Rio de Janeiro será palco da sétima edição do Rio H2K. O festival internacional promove as danças urbanas e suas múltiplas vertentes de forma ampla e acessível a todos os públicos e idades. A abertura oficial está marcada para o dia 13, no Teatro Municipal Carlos Gomes, com duas atrações inéditas no Brasil: Lil Buck, jovem dançarino americano de street dance, e Cie Zahrbat, companhia francesa de hip-hop e dança contemporânea. No dia 14, o trio franco-brasileiro formado por Cyrille Brissot, JP Black e Wagner Faria apresenta o projeto multimídia Incandescente 24hLuz, no Teatro Cesgranrio. De 15 a 18, o Rio H2K ocupa a Cidade das Artes, onde a programação inclui espetáculos, workshops, competições, batalhas de danças, bate-papos e festas.

O Rio H2K tem direção do produtor Miguel Colker. A direção artística é de Bruno Bastos, que divide a curadoria da mostra de espetáculos com o francês Guy Darmet, ex-diretor da Bienal de Dança de Lyon e da instituição Maison de la Danse. “Queremos inspirar as pessoas a dançar. É um festival que coloca mais o público para dançar do que para assistir”, diz Colker, sem deixar de enfatizar o compromisso que eles têm em incentivar e fomentar a profissionalização das companhias de danças urbanas no país, além de investirem em ações sociais em quatro comunidades do Rio, com aulas regulares, durante o ano. “Pela primeira vez, vamos patrocinar um grupo amador de street dance com um prêmio de R$ 15 mil, para ser investido na montagem de um espetáculo que será apresentado na edição do ano que vem”, adianta o diretor.

Desde a sua primeira edição, em 2011, a essência do Rio H2K é a dança urbana e os seus diferentes gêneros, que vão desde os estilos originais que surgiram nos Estados Unidos, entre as décadas de 1960 e 1980 (breaking, hip hop, dance house, locking e popping) até as criações mais recentes (dancehall, krumping, stiletto e videodancing). Em 2014, o festival incorporou com sucesso aulas de sapateado e batalhas de passinho. “Nesta edição, vamos ampliar ainda mais o leque com novas danças. Teremos professores de afromix, coco de roda, jongo, samba e zouk”, explica Bastos. “Nós temos uma parceria com o maior dance camp da Europa, o Fair Play Dance Camp, na Polônia. Na última edição, eles fizeram uma promoção e uma dançarina da Espanha ganhou uma bolsa para vir fazer aulas no festival deste ano. Agora, nós faremos essa mesma promoção para levar um brasileiro para participar do Fair Play, em agosto”, destaca Bastos.

O patrocínio ao Festival Rio H2K é uma iniciativa do pilar Cultura do programa de Responsabilidade Social Corporativa da Estácio – Educar para Transformar.

 

EXPOSIÇÃO RIO DE LUZ. De 25 de março a 30 de abril de 2017.



Estácio - 10/03/2017 às 16:31

Dominique Boyer, 53 anos. Francês, morador do Rio de Janeiro desde o ano 2005, e casado com uma brasileira.

“Pinto e crio desde jovem, a maior parte do tempo na França, a partir das cores escuras e cinzas que representam o cenário habitual na Europa. Mas quando cheguei ao Rio de Janeiro, recebi o impacto da luminosidade no quotidiano. O Rio de Janeiro me ensinou a cor e a luz, me levando a mudar meu trabalho que passei, a partir desse momento, a fazer a partir de cores vivas destacadas pelo branco.

O Rio de Janeiro também me ensinou a simplicidade da vida, a felicidade da vida, assim como o lado informal frequentemente ligado com ela. Aprendi que não precisa de muita riqueza para ficar feliz no Rio de Janeiro, já que todo dia a Cidade Maravilhosa proporciona beleza a cada instante. É dessa forma que passei a fazer colagens nas minhas telas coloridas com objetos muito simples do dia a dia, como garfos de plástico, colheres, formas, sempre de cor branca para guardar essa ideia de luminosidade.

Como foi antes de tudo a luminosidade do Rio de Janeiro que guiou esse trabalho desde 2005, a exposição reverencia o Rio de Janeiro por tudo que me trouxe poderia se chamar: “Rio de luz”.”

A Estácio é responsável pela curadoria do Monumento Estácio de Sá, acreditando que a cultura tem papel fundamental no processo de desenvolvimento humano e social do indivíduo. Por isso, incentiva a produção e o acesso a manifestações artísticas e culturais que contribuam para a afirmação da identidade do ser humano, além de aumentarem sua capacidade de intervenção em prol da sociedade. O apoio ao Monumento faz parte desse trabalho.

 
foto-1

Acessos inaugura a Galeria de Arte Solar em 2017



Estácio - 10/03/2017 às 16:31

A Galeria de Arte Solar promoverá, a partir de 9 de março, em Copacabana, a exposição Acessos. Seis artistas, com curadoria de Lia do Rio e coordenação de Osvaldo Carvalho, apresentam a escada como elemento de ligação entre dois espaços da mesma cidade e propõe uma reflexão do movimento cotidiano de ir e vir, entre asfalto e morro, tendo a escadaria como meio.

Trabalhos individuais se tranformam em uma escada de forma que se crie a sensação simultânea do subir e descer. E a proposta se inova quando, durante seu período de exposição, a mostra ganha alunos do Colégio Integral Solar como novos artistas participantes. Com materiais diversos, estudantes trabalharão suas obras com autonomia e papel central na criação e reprodução de suas ideias, remetendo sua compreensão do que é uma escada e como participa de caminhos e rotinas.

Sobre o Solar Meninos de Luz
O Solar Meninos de Luz é uma organização civil e filantrópica, que promove educação integral, cultura, esportes, apoio à profissionalização, cuidados básicos de saúde e de assistência social às famílias com maior nível de desestruturação das comunidades do Pavão-Pavãozinho e Cantagalo. A obra possui 33 anos de existência e comemorou 25 anos do Programa Educação Integral em 2016.

As 400 crianças de 3 meses até os 18 anos de idade permanecem no Solar do Berçário ao Ensino Médio, ingressando em universidades e bons empregos.

Artistas:
Claudia Malaguti
Grasi Fernaski
Isabela Frade
Marciah Rommes
Miro PS
Nadia Aguilera

Serviço:
Exposição Acessos
Curadoria de Lia do Rio
Coordenação de Osvaldo Carvalho
Período: 9 de Março a 29 de Abril
Visitação: de segunda-feira a sexta-feira: 09h às 18h - sábados: 09h às 13h
Endereço: Galeria de Arte Solar - Rua Saint Roman, nº 146, Copacabana - Rio de Janeiro, RJ.
Telefone: (21) 3202-6900

 
foto-1

O Prêmio Criando Asas chega na décima edição, em parceria com a Estácio.



Estácio - 10/03/2017 às 16:28

Idealizado pelo Instituto Criar, o prêmio tem como objetivo incentivar o protagonismo social dos educandos e veteranos, que multiplicam o impacto social do Instituto com suas próprias mãos e câmeras. O Criando Asas fomenta e viabiliza projetos que utilizam o audiovisual como ferramenta de transformação social. Por meio de edital anual, os projetos são apresentados e selecionados por uma banca de especialistas.

Este ano cinco grupos serão premiados. Cada um receberá a verba de R$ 6 mil para realizar seu projeto. A novidade desta edição é que um dos grupos poderá turbinar sua proposta com match funding. Para cada valor que uma pessoa destinar no projeto de financiamento coletivo (crowdfunding), o Instituto Criar aporta o mesmo montante. Se o projeto arrecadar R$2 mil através do mutirão, o Criar coloca mais R$2 mil na conta e assim por diante. Vale ressaltar que o valor máximo que o Instituto destinará será de R$ 6 mil. Além do apoio financeiro, os vencedores têm o benefício de utilizar os equipamentos e a estrutura do Criar para suas produções e também contam com acompanhamento de profissionais experientes durante o desenvolvimento.

Desde seu lançamento, mais de 90.000 pessoas foram beneficiadas por projetos sociais criados e implantados pelos jovens através do Prêmio Criando Asas. Educandos, veteranos e seus amigos se juntaram e montaram cines-clube, produziram jornais impressos, programa de TV, curta metragem de ficção, documentários, realizaram oficinas de fotografia e vídeos nas comunidades, além de mostras itinerantes.

A banca realizará o julgamento dos projetos baseado nos critérios: articulação e mobilização; utilização do audiovisual como meio e/ou fim para práticas socioculturais; impacto social previsto (abrangência geográfica na cidade, multiplicidade de regiões e bairros onde serão realizados os projetos ou de exibições das produções); relevância social do tema proposto; potencial de continuidade; diversidade na composição dos grupos; equilíbrio na relação custo benefício; viabilidade de execução no prazo e nas condições de apoio e de orçamento propostos pelo Prêmio Criando Asas. As inscrições vão de 30 de janeiro a 28 de fevereiro.

Acesse o edital, regulamento e informações em www.institutocriar.org/10CRIANDOASAS

A Estácio patrocina o Prêmio Criando Asas por meio da Lei Rouanet. Essa é mais uma iniciativa do pilar Estácio Cultural do programa de responsabilidade social corporativo da Estácio – Educar para Transformar.

 
foto-1

Estácio Teresina realiza sua I Semana de Arte e Cultura



Estácio - 15/12/2016 às 15:34

A Estácio Ceut, em parceria com a FMC - Fundação Monsenhor Chaves, a Semest - Secretaria Municipal de Economia Solidária e o Coletivo Salve Rainha, promoveu a a I Semana de Arte e Cultura, entre os dias 16 e 22/11com diversas manifestações artísticas do Piauí.

O evento contou com uma semana de exposições de artes, fotografias, caricaturas, desenhos e exposições dos acadêmicos dos cursos de Direito e Arquitetura. A presença do Salão de Humor do Medplan, do Projeto Música para Todos, da Capoeira de pacientes assistidos pelo CEIR, sarau poético, exposição da arte santeira, artesanato, reciclados e feiras, através da Semest, além de apresentações artísticas como o Balé da Cidade e a Orquestra Sanfônica, enriqueceram a programação.

A abertura do Festival aconteceu com a 'Noite de Autógrafos", que contou com a presença de diversos escritores piauienses como Fernando Said Filho, Dina Magalhães, Rivanildo Feitosa, Antônio Gomes das Neves, Francisco Miguel de Moura, dentre muitos outros que lançaram suas obras. Na mesma noite apresentações artísticas e musicais fizeram parte da programação.

O encerramento, contou com a apresentação da Orquestra Sanfônica Dominguinhos e o sarau litero-musical Papo Poesia com os convidados, professor Wellington Soares, o poeta e fotógrafo, Paulo Tabatinga Lopes, o músico e publicitário, Machado Júnior, a cantora, Valéria Noronha, dentre outros importantes nomes da cultura piauiense.

Para o Diretor do Núcleo Teresina, Renan Brandão, a Semana Cultural encaixa-se com perfeição aos propósitos da Instituição. Para Renan, é de extrema importância que as pessoas criem o hábito de prestigiar a arte e a cultura do seu Estado e apresentá-la aos seus filhos e netos. "Diante de tantas atividades reunidas em um mesmo espaço, não tenho dúvidas que esse evento marcou Teresina. Uma oportunidade ímpar para alunos, professores, colaboradores e convidados prestigiarem grandes exposições, lançamentos de lindas obras e apresentações da cultura piauiense", conclui.

 
foto-1
foto-1
foto-1

Galeria de Arte Solar apresenta Oficina de Inventices



Estácio - 05/12/2016 às 12:16

Encerrando as atividades de 2016, a Galeria de Artes Solar promoverá, a partir de 15 de dezembro, a exposição Oficina de Inventices, do artista Lin Lima. Desdobrando-se em respostas às suas próprias dúvidas propõe uma mostra baseada nas premissas do desenho lúdico. Conhecido por suas peças feitas com lápis apontados à mão e os desenhos de parede feitos a partir de meias-luas, questões ligadas às suas investigações formais, o artista apresenta variações, ora objetivas ora nem tanto, do uso do grafite, seja naquelas peças que lhe são características, seja na apresentação de suas ideias de projetos que vem a realizar nesta exposição solo.

Sobre o artista:

Bacharel em Pintura pela Escola de Belas Artes da UFRJ, foi assistente no ateliê dos artistas Felipe Barbosa e Rosana Ricalde, monitor no Museu de Arte Contemporânea de Nitória, além de ter participado de oficinas de formação com Alexandre Vogler, Raul Mourão, Marcos Cardoso e Jorge Duarte. Seus trabalhos dialogam basicamente com o universo do desenho e seu principal objeto: o lápis. Formas orgânicas surgem do improviso e da repetição sem qualquer esboço para atingir resultados. Nos desenhos um traço de cada vez para que dentro da repetição surja a evolução. Dentro do que poderia ser igual, tudo diferente. Com o lápis, as formas ganham o espaço transformando um mero coadjuvante em ator principal, em trabalhos que dialogam tanto com a repetição, explorada nos desenhos, quanto nos movimentos de arte construtiva.

Serviço:

Exposição Oficina de Inventices
Curadoria de Osvaldo Carvalho
Período: 15 de dezembro a 31 de janeiro
Visitação: de segunda-feira a sexta-feira: 09h às 18h - sábados: 09h às 13h
Endereço: Galeria de Arte Solar - Rua Saint Roman, nº 146, Copacabana - Rio de Janeiro, RJ.
Telefone: (21) 3202-6900

 
foto-1

Família Schurmann retorna a Santa Catarina em 10 de dezembro



Estácio - 05/12/2016 às 12:16

Vilfredo, Heloisa, Wilhelm e Emmanuel reunidos a bordo do veleiro Kat para a emocionante chegada da Expedição Oriente! Neste sábado, 10 de dezembro de 2016, a Família Schurmann retorna a Itajaí, em Santa Catarina, de onde partiu há exatos 812 dias para a mais recente volta ao mundo a bordo da embarcação. Assim como aconteceu na partida, centenas de pessoas devem acompanhar a chegada de toda a tripulação, às 15h, na Marina Itajaí, onde já estarão Pierre e David – diretor geral da equipe de terra – para receber os pais, irmão e, respectivamente, filho e sobrinho. Os dois, que participaram de alguns trechos da aventura, amarrarão o veleiro Kat no cais. “Depois de mais de dois anos navegando, o retorno ao Brasil traz uma sensação maravilhosa por realizamos mais um sonho; rever familiares e amigos; voltar à nossa pátria, e poder mostrar ao público as experiências vividas em diversos países que passamos”, declaram Vilfredo e Heloisa Schurmann. Com a Expedição Oriente, a Família Schurmann revisitou lugares e reencontrou amigos feitos em aventuras anteriores e também passou por lugares inéditos e surpreendentes, conhecendo e convivendo com culturas distintas, ampliando assim os laços de amizade com povos nativos encantadores e de lugares remotos do planeta.

Contando com o apoio fundamental dos patrocinadores como a Estácio, a Família Schurmann zarpou no dia 21 de setembro de 2014, para seguir a rota da Expedição Oriente, desenvolvida a partir de polêmicas teorias que apontam os chineses como os primeiros navegantes a darem a volta ao mundo. Inspirados pela tese, no dia 6 de abril de 2016, os Schurmann chegaram, pela primeira vez, na China – fato histórico entre os velejadores de todo o Brasil. “De acordo com nossas pesquisas, nosso Kat foi o primeiro veleiro brasileiro a atracar em um porto chinês. Nos últimos 5 anos, apenas dez veleiros estrangeiros conseguiram permissão para ancorar em Xangai”, comemora o Capitão Vilfredo Schurmann. A Família Schurmann quis colocar luz nessa teoria e, embora não tenha pretensões cientificas, se deparou com indícios capazes de ressaltar, no mínimo, que os chineses foram, de fato, grandes navegadores.

Rolé Carioca visita Ilha de Paquetá



Estácio - 05/12/2016 às 12:07

No domingo, dia 27/11, cerca de 700 pessoas se reuniram às 9h no ponto de encontro montado na Praça XV, onde foi realizada a entrega dos brindes para os ganhadores da ação do cartão fidelidade. Os ganhadores receberam como brinde o Guia Cultural do Rolé Carioca: um guia com dez dos passeios já realizados ao longo dos quatro anos do projeto.

O grupo iniciou a última edição do Rolé Carioca em 2017 com a caminhada a Paquetá nas barcas, e ao chegar na ilha, o público foi dividido em dois grupos para percorrer o seguinte trajeto: Praça Pintor Pedro Bruno – Igreja do Senhor Bom Jesus do Monte – Casa de José Bonifácio - Canhão de saudação a Dom João VI – Árvore Maria Gorda –Solar Del Rei - Praça São Roque – Pedra da Moreninha - Chácara dos Coqueiros.

A Estácio patrocina o Rolé Carioca por meio da Lei Rouanet. Essa é uma iniciativa do pilar Estácio Cultural do programa de responsabilidade social corporativa da Estácio – Educar para Transformar.

 
foto-1
foto-1
foto-1
foto-1
foto-1
foto-1
foto-1
foto-1

Calçadão Literário é atração do próximo Encontro com Territórios com Edney Silvestre



Estácio - 10/11/2016 às 11:46

A Biblioteca Estação Leitura, localizada na estação Central do MetrôRio, vai promover o 11º Encontro com Territórios, no dia 01 de dezembro, às 18h30. A nova edição terá como tema o livro “Welcome to Copacabana & Outras Histórias”, do jornalista Edney Silvestre, lançado há pouco pela Editora Civilização Brasileira, do Grupo Editorial Record. Trata-se de um livro de contos dividido em três fragmentos que parte do Rio, vai ao exterior e depois se encerra num reencontro do leitor com a protagonista do primeiro conto.

Em um momento da novela “Boa noite a todos”, a protagonista Maggie observa de uma janela de Copacabana o vai e vem de babás, idosos e prostitutas que se misturam nas ruas do bairro. Foi ao escrever essa cena, em 2014, que o escritor decidiu que voltaria a situar histórias em Copacabana e a se inspirar na riqueza de seus moradores e frequentadores. O encanto de Edney pelo bairro veio desde a infância, em Valença, de onde saiu aos 16 anos.

O jornalista e poeta Claufe Rodrigues comanda o bate papo com Edney. Em seguida, o escritor vai autografar 60 exemplares do livro que serão distribuídos gratuitamente aos leitores da biblioteca. “Esta é uma oportunidade rara, rica, única, encantadora de estar com quem ama leitura de obras de autores brasileiros. E eu me sinto privilegiado de fazer parte deste movimento que leva nossos livros e nos dá oportunidade de conhecer aqueles que os abraçam”, afirma Edney. A partir do dia 16 de novembro, ficará exposto na estação Central do MetrôRio um “Calçadão Literário” com fragmentos do livro, impressos em camisetas brancas, formando um mosaico com as pedras portuguesas. O Encontro com Territórios reforça a estratégia de "lançamentos sociais", quando o autor autografa seu livro que é oferecido gratuitamente ao público. A iniciativa, que tem como objetivo investir em estratégias pedagógicas de estímulo à leitura, conta com a apresentação e o patrocínio da Prefeitura da Cidade do Rio de Janeiro, da Secretaria Municipal de Cultura e da Estácio. O projeto levará aos leitores da Biblioteca Estação Leitura um novo olhar sobre o envelhecimento.

A diretora executiva do projeto, Cristina Oldemburg, acrescenta que, após o bate papo, o público poderá levar o livro autografado pelo autor convidado, além de poder contar com exemplares disponíveis para empréstimos. “A missão da biblioteca popular é estimular a leitura e o pertencimento do livro, formar novos leitores, formar plateia para debate e criar pensamento crítico sobre questões que fazem parte do nosso cotidiano. O sentimento do pertencimento do objeto livro é fantástico, pois a grande maioria dos leitores da Biblioteca Estação Leitura não tem recurso para comprar uma obra literária. Eles esperam ansiosos pelo evento”, conta ela.

Sobre o autor convidado:
Edney Silvestre é jornalista, escritor e documentarista. Após três romances publicados (“Se eu fechar os olhos agora”, “A felicidade é fácil” e “Vidas provisórias”) e uma combinação de novela e monólogo teatral (“Boa noite a todos”), optou por escrever contos. Em 2002 publicou o livro de crônicas “Outros tempos”, sobre sua experiência de correspondente internacional. Em “Welcome to Copacabana” escreveu todos os textos especialmente para o livro, um projeto iniciado há quatro anos.

Encontro com Territórios: “Welcome to Copacabana & Outras Histórias”
Local: Biblioteca Estação Leitura, na Estação Central do MetrôRio
Data: 01 de dezembro
Horário: 18h30
Evento gratuito

Para recebimento do livro "Welcome to Copacabana & Outras Histórias", serão distribuídas 60 senhas que devem ser retiradas uma semana antes do evento, na biblioteca Estação Leitura, localizada na estação Central do MetrôRio. No dia do evento, apresente-a no mesmo local e receba seu livro para participar da sessão de autógrafos.


FESTIVAL ‘MÚSICA NA ESTRADA’ 2016 ESTREIA EM BOA VISTA A 6a. EDIÇÃO DO PROJETO CHEGARÁ TAMBÉM A CAPITAL FEDERAL DO PAÍS



Estácio - 10/11/2016 às 12:07

O intercâmbio das artes e de pessoas na Amazônia permanece na versão 2016 do “Festival Música na Estrada”, mas com a ampliação do projeto para outras regiões do país. Além de seis cidades da Região Norte: Belém, Boa Vista, Macapá, Manaus, Porto Velho e Santarém, a novidade para este ano é que a Região Centro-oeste será contemplada, e Brasília estará no roteiro da 6ª. Edição do festival. A cidade paraense de Santarém também recebe o “Festival Música na Estrada” pela primeira vez.

O projeto ocorrerá entre os meses de outubro a dezembro de 2016. Este ano a estreia aconteceu no dia 14 de outubro em Boa Vista, com a Orquestra de Violões do Amazonas, além de outras atrações, como a Focus Cia de Dança do Rio de Janeiro e a Orquestra Experimental da Amazonas Filarmônica. Durante a temporada na capital roraimense, houve a exposição do artista plástico Jaider Esbell, índio Macuxi da Amazônia, vencedor do PIPA Online 2016, maior prêmio web de arte contemporânea. Em seguida, a partir do dia 18 de outubro, a cidade de Santarém (PA) recebeu o projeto, com apresentações do Quinteto Uirapuru, Amazônia Jazz Band e Filarmônica de Santarém.

Em novembro, o festival estará a todo vapor com apresentações em Porto Velho, Macapá, Manaus e Belém. Entre as atrações: Conjunto Vocal Ordinarius, Mapo Big Band, Amazonas Filarmônica, Balé Folclórico do Amazonas e Orquestra de Violões do Amazonas.

O projeto traz grandes nomes internacionais, como o pianista Cristian Budu, que estará agraciando a 6a.edição do "Música na Estrada" em Manaus enquanto solista da Amazonas Filarmônica no Concerto para Piano e Orquestra de Robert Schumann. A regência será de Marcelo de Jesus. O festival será contemplado também, com o poderoso som de Yamandu Costa. Esse consagrado violonista e compositor considerado um dos fenômenos da música brasileira de todos os tempos, estará em Manaus, no Teatro Amazonas, no dia 19 de novembro.

Um dos destaques da temporada 2016 será o intercâmbio musical inédito entre a Amazonas Filarmônica e a Sinfônica do Theatro da Paz. A troca será realizada em suas respectivas cidades durante as apresentações nas capitais Manaus e Belém. A Amazonas Filarmônica fará a apresentação no Theatro da Paz, onde volta desde seu último recital em 1998. Da mesma forma a Sinfônica do Theatro da Paz ecoará pelo palco do Teatro Amazonas, só que neste caso pela primeira vez num concerto único, tendo como solista o pianista brasileiro radicado em Budapeste, Thiago Bertoldi.

O projeto finalizará suas apresentações na capital federal no dia 6 de dezembro.

O “Festival Música na Estrada” é patrocinado pela Estácio como uma iniciativa do programa de responsabilidade social corporativa – Educar para Transformar.

 
foto-1
foto-1
foto-1

Exposição O Bem Amado, de Dias Gomes – Sucupira é aqui, é ali, é o Brasil | Abertura 22 de novembro



Estácio - 10/11/2016 às 11:46

Com abertura em 22 de novembro, a mostra de fotografias faz paralelo entre subúrbio carioca e interior baiano ao discutir políticos e homenagear uma das maiores obras de Dias Gomes.

”Odorico é um tipo de político que é bastante comum, não só no interior como nas grandes cidades. É claro que o grau de demagogia e paranoia é variável. Mas o processo é o mesmo.” Dias Gomes

Uma das mais importantes obras do romancista, contista e teatrólogo baiano Dias Gomes, O Bem-Amado foi escrito há cinquenta e quatro anos e se tornou um recorte realista, irônico e cruel da realidade social e política brasileira daquela época. Após cinco décadas, o livro continua mais atual do que nunca e reflete de forma surpreendente a dura e triste realidade do nosso país. Afinal, quem não se recorda do personagem Odorico Paraguaçu e de seus desmandos e absurdos, além do palavreado incomum imortalizado na obra do romancista para o teatro e a televisão?

Foi exatamente ao analisar as semelhanças entre o Brasil de ontem e hoje e perceber que ainda temos muitos ‘Odoricos” circulando com ideias tão mirabolantes e atitudes sem propósito como as do personagem de Dias Gomes, que o Instituto Oldemburg de Desenvolvimento pensou e idealizou a exposição O Bem Amado, de Dias Gomes – Sucupira é aqui, é ali, é Brasil, que será inaugurada no dia 22 de novembro na Galeria Arte e Literatura, da Biblioteca Estação Leitura, na Estação Central do MetrôRio. A exposição, com entrada franca aos usuários do metrô, é mais uma edição do projeto Vivências Lúdico-Literárias e tem o patrocínio da Secretaria Municipal de Cultura, por meio do Programa de Fomento à Cultura Carioca, e Estácio.

“Essa exposição traz à cena, de forma bem-humorada, uma reflexão sobre a democracia que, na prática, muitas vezes não nos livra dos Odoricos, personagens eleitos ou impostos, frutos da alienação e do oportunismo", diz Cristina Oldemburg, presidente do Instituto. Muito mais do que provocar uma profunda reflexão sobre a caótica realidade social e política que vivemos nos mais diferentes momentos de nossa história, a exposição O Bem Amado, de Dias Gomes – Sucupira é aqui, é ali, é o Brasil, também tem como objetivo traçar um paralelo entre as diferenças e semelhanças que encontramos Brasil afora. Essa proposta poderá ser vista através de registros feitos por Cristina Oldemburg (18 fotos) e pelo fotógrafo baiano Rodrigo Macedo (6 fotos) nas cidades de Belmonte e Ilhéus, na Bahia, e em bairros do subúrbio carioca, como Cascadura, Pilares, Cavalcante, Engenheiro Leal e Riachuelo, entre outros. Dessa forma, os visitantes poderão fazer uma viagem pelas imagens desses cenários reais e pelos fragmentos da obra do teatrólogo, recheadas das frases mais marcantes da obra do autor.

Cristina Oldemburg explica que as 24 fotos selecionadas especialmente para a exposição constituem um rico mosaico de moradias populares das cidades do interior do país e também dos subúrbios do Rio de Janeiro. “As imagens das casas simples simbolizam a vida periférica do povo brasileiro. Ao mesmo tempo mostram uma alegre e colorida resistência, de quem sabe sorrir e ser feliz mesmo na adversidade. Esse povo, que a cada ano elege os Odoricos de norte a sul do Brasil, é o mesmo que num dia futuro será o dono do seu próprio destino”, avalia. “Passaram-se 54 anos. Hoje estamos revivendo Odorico Paraguaçu, personagem emblemático dos políticos corruptos das cidades do interior, desenhado com fina ironia por Dias Gomes, que continua atravessando as décadas sem nunca perder sua atualidade”.

A atualidade da obra de Dias Gomes
A peça teatral O Bem-Amado, de Dias Gomes, foi escrita em 1962 e encenada pela primeira vez em 1969, no Teatro Santa Isabel de Recife. Em 1970, uma nova montagem estreou no Teatro Gláucio Gil, no Rio de janeiro, tendo Procópio Ferreira protagonizando o político Odorico Paraguaçu, esse personagem ímpar criado por Dias Gomes. O texto surgiu numa época em que a dramaturgia brasileira procurava pesquisar a nossa realidade social e política, para, em seguida, num esforço de síntese, elaborar certa tipificação cultural do nosso povo. Dias Gomes, em particular, buscava apresentar, através de seus textos, não apenas a diversidade cultural dos mais recônditos lugares do Nordeste, mas também as mazelas da população, transformando sua arte em instrumento de conscientização da condição humana.

Sobre a Galeria Arte e Literatura, da biblioteca Estação Leitura
Inaugurada em 2014, já recebeu seis exposições sobre autores brasileiros e estrangeiros e coleciona histórias e números. Das exposições - homenageando autores como Shakespeare, Graciliano Ramos, Machado de Assis, Rubem Braga, José Lins do Rego e Antonio Callado - a visitação já soma mais de 2 mil visitantes, só pelo livro de assinaturas. O grande mérito é transformar os visitantes das mostras na Galeria em novos leitores do acervo da biblioteca, através de suas ações casadas, possibilitando a descoberta dos autores homenageados nas exposições. É um trabalho pedagógico contínuo de formação de novos leitores. Um case incontestável é a exposição sobre Graciliano Ramos que surpreendeu em número de visitantes e de empréstimos na biblioteca de obras do autor. Foi tão importante que possibilitou o patrocínio da prefeitura do Rio de Janeiro.

Oficinas da exposição O Bem Amado, de Dias Gomes – Sucupira é aqui, é ali, é o Brasil
O público visitante poderá participar das oficinas que acontecerão ao longo da permanência da exposição. As arte-educadoras Krika Silva e Maribel Albreschtt apresentarão as atividades, ambas após visita mediada à exposição, de duas formas: na de Maribel, os jovens irão participar de uma pequena oficina de teatro,um jogo, uma brincadeira de ator, através da leitura de um das cenas da peça "O Bem-amado", que trata do discurso do Odorico quando ganha a eleição. O participante irá escolher um acessório e um personagem para interpretar e contracenar com a atriz Maribel Albreschtt. Após a atividade com os alunos, Maribel irá apresentar uma leitura dramatizada de outro ato da peça. Krika ministrará a oficina aonde, cada participante terá a oportunidade de entrar em contato com 3 linguagens artísticas diferentes: fotografia, desenho e literatura. Após apreciarem as imagens e os textos expostos, os participantes receberão uma cópia de uma das fotografias que compõem a exposição para que em um papel vegetal, por cima da mesma, possam colorir com lápis de cor e canetinhas coloridas interferindo livremente na imagem. Os alunos serão orientados a deixarem alguns espaços da imagem sem preenchimento de cor para que preencham com uma caneta preta esse espaço com palavras e expressões do vocabulário de Odorico Paraguaçú, prefeito de Sucupira que tem como principal projeto de sua campanha a construção de um cemitério, dono de um vocabulário único e curioso. Dessa maneira os alunos podem criar um novo olhar sobre a fotografia, imprimindo nela de forma livre, suas expressões e impressões sobre o tema, numa brincadeira lúdica e artística, integrando as três linguagens.

Local: Galeria Arte e Literatura, anexa à Biblioteca Estação Leitura, na estação Central do MetrôRio
Data: A partir de 22 de novembro - até 28 de fevereiro
Entrada franca


 

Rolé Brasil faz passeio em Fortaleza



Estácio - 10/11/2016 às 11:46

Um dos bairros mais charmosos e plurais de Fortaleza, Benfica foi o cenário do segundo passeio do Rolé Brasil pela capital do Ceará. Boêmio, histórico e residencial, oferece uma bela incursão por várias datas históricas, por conta de seus casarões antigos, teatro, ruas, praças, igrejas e escolas. O passeio aconteceu no dia 5 de novembro e teve como ponto de encontro o Theatro José de Alencar. Capitaneados pelos professores da Estácio, William Martins e Rodrigo Rainha, toda a história de transformação do bairro pode ser conferida gratuitamente.

Benfica ocupa uma área de 143,1 hectares, ao lado do Centro de Fortaleza, e guarda um grande legado de transformações urbanísticas, que foram de chácaras e matadouros, passando por casarões e igrejas, até chegar à Fortaleza universitária, dando lugar a bares e a boemia. “Observar um bairro, através dos momentos em que seus moradores e frequentadores se encontram é um instigante ponto de partida para compreensão de seus processos de construção discursiva como lugar metropolitano. O bairro Benfica, coligado a área central de Fortaleza, configura um bom exemplo de como essa construção é tecida”, explica William Martins.

O professor Rodrigo Rainha traça um raio x bastante interessante sobre a escolha de Benfica para a chegada da Universidade do Ceará, onde as casas de repúblicas e a faculdade foram ocupando as antigas casas, criando um novo clima. “O bairro da burguesia virou o bairro da boemia intelectual. Como sempre essas realidades se sobrepõem, se reconstroem, são vivas em suas necessidades e presentes em suas propostas a vida dos estudantes, que saiam de todas as regiões do Ceará, quiçá de outras áreas do Nordeste e lá descobriam os novos conhecimentos e a boa música, criando um novo pensamento”, diz.

 
foto-1

NOVA MONTAGEM DE MY FAIR LADY ASSINADA POR JORGE TAKLA TRAZ O PREMIADO BARÍTONO PAULO SZOT



Estácio - 20/10/2016 às 12:00

Considerado um dos maiores musicais de todos os tempos, My Fair Lady ganha em agosto nova montagem assinada pelo diretor Jorge Takla. Com grande elenco e orquestra ao vivo, o espetáculo - baseado no clássico Pigmaleão, de George Bernard Shaw - se vale de cenários e figurinos luxuosos para narrar a história de um professor aristocrata, Mr Henry Higgins, que aceita o desafio de transformar Eliza Doolittle, uma vendedora de rua, sem qualquer refinamento, em uma dama da alta sociedade.

A montagem – resultado da parceria entre a Takla Produções, EGG Entretenimento (da empresária e produtora Stephanie Mayorkis) e IMM Esporte e Entretenimento – é apresentada pelo Ministério da Cultura, Mercado Livre e Mercado Pago e ocupará o novo Teatro Santander entre 26 de agosto e 6 de novembro de 2016, com patrocínio da Renner e Zurich Santander Seguros.

O principal personagem masculino ficará a cargo de ninguém menos que Paulo Szot, o consagrado barítono que em 2008 ganhou o Tony (o Oscar do teatro americano) de melhor ator por sua performance em South Pacific, na Broadway, em Nova Iorque, tornando-se o primeiro brasileiro a receber este e outros três prêmios – Drama Desk, Outer Critic’s Circle e Theater World Awards. Dono de uma bem-sucedida carreira internacional no mundo da ópera, iniciada em 1997 em O Barbeiro de Sevilha, no Teatro Municipal de São Paulo, será a primeira vez que ele participará de um musical no Brasil.

Escolhida através de audição entre cerca de 600 candidatas, Giulia Nadruz fará Eliza Doolittle. Apesar da pouca idade, a jovem atriz de 25 anos já acumula em seu currículo mais de vinte trabalhos, entre musicais (Chaplin, Shrek, Gypsy, Um violinista no telhado, Mamma Mia, Cinderella), peças (Le Sacre, Os melhores anos de nossas vidas) e operetas (O Elixir do Amor, direção Daniel Herz), e estreará em breve na tevê na minissérie Dois Irmãos, dirigida por Luiz Fernando Carvalho.

A música original de Frederick Loewe embala o libreto e as letras de Alan Jay Lerner, que receberam versão em português de Cláudio Botelho. A ficha técnica conta ainda com o premiadíssimo figurinista Fábio Namatame, que contabiliza mais de cem trabalhos em peças, musicais, óperas e filmes, e o cenógrafo argentino Nicolás Boni, que iniciou carreira na ópera. Responsável pela direção musical do espetáculo, o compositor e maestro Luis Gustavo Petri transita pelo repertório sinfônico, óperas e musicais, dentre os quais West Side Story, Cabaret, My Fair Lady e Vitor ou Victoria, tendo recebido diversos prêmios ao longo da carreira. Jorge Takla e Stephanie Mayorkis convidaram ainda para integrar a produção uma parceira de longa data, a diretora associada e coreógrafa Tânia Nardini, que acumula longa experiência em musicais, incluindo títulos como Chicago, Rent, O Fantasma da Ópera, Evita e O Rei e Eu, entre outros.

A história de Pigmaleão foi levada às telas de cinema originalmente em 1938 e chegou à Broadway em 1956 com enorme aclamação de público e crítica, já batizada como My Fair Lady. A produção contava com Julie Andrews e Rex Harrison nos papeis principais e foi premiada com seis Tony e um Theater World Award. Oito anos depois, Harrison retornava ao papel na versão cinematográfica de George Cukor, desta vez ao lado de Audrey Hepburn, para repetir o grande sucesso do musical. Ao todo, o filme recebeu oito Oscar, três Globo de Ouro e o Bafta de Melhor Filme.

No Brasil, a primeira encenação de My Fair Lady, intitulada Minha Querida Lady, foi realizada em 1962 pelo produtor Victor Berbara. Além de Bibi Ferreira e Paulo Autran nos papéis principais, a montagem contava ainda com uma jovem Marília Pêra, em início de carreira. O espetáculo fez grande sucesso e ficou três anos em cartaz, no Rio de Janeiro, São Paulo e Porto Alegre. Em sua segunda montagem (a primeira foi há nove anos), Jorge Takla optou por realizar um espetáculo inteiramente novo, incluindo direção, cenários, figurinos e elenco.

 
foto-1

SIRHA RIO fecha PARCERIA EXCLUSIVA COM O CURSO DE GASTRONOMIA DA ESTÁCIO NO RIO DE JANEIRO



Estácio - 03/10/2016 às 19:29

O Sirha Rio, evento internacional para profissionais de food service e hotelaria no Brasil, produzido pela Fagga | GL events Exhibitions, tem a Estácio como curso de gastronomia oficial. O evento acontece no Riocentro, centro de convenções na Barra da Tijuca, entre 4 a 6 de outubro de 2016. Aulas, degustação de produtos, palestras, concursos gastronômicos com reconhecimento internacional, chefs renomados brasileiros e estrangeiros, profissionais de gastronomia, hotelaria e foodservice, entre outros, contarão com o auxílio de 64 alunos do Curso de Gastronomia da Estácio que foram criteriosamente selecionados para atuarem no evento, colocando em prática tudo o que aprendem em sala de aula.

 
foto-1
foto-1
foto-1
foto-1
foto-1
foto-1

Confira o relato do Capitão Schurmann sobre a travessia do oceano Índico



Estácio - 28/09/2015 às 18:53

Dia 04 de agosto era um dos dias mais bonitos na nossa estadia em Mentawai. Estávamos preparados para partir às 9h, com tudo organizado para nossa travessia; frutas, verduras, legumes, bebidas e tudo mais para que pudéssemos passar as duas semanas ou mais, previstas em alto mar.

Ao içar âncora para a partida, depois de alguns minutos o motor começou a fazer mais esforço que o normal, e assim que a profundidade nos permitiu ver o que estava acontecendo, outras duas âncoras enormes e antigas estavam enroladas em nossa corrente. Foram duas horas de trabalho para conseguir cortar as amarras que nos seguravam em águas calmas.

Já na saída para mar aberto pudemos sentir as ondas e o forte vento de través, que faz o barco balançar muito e seguir em frente sempre adernado, de lado, com muita velocidade. Naquele momento já imaginamos como seria nossa travessia do oceano Índico em direção às ilhas Maurícius.

O veleiro Kat com sua tecnologia auto sustentável permite a produção de energia por meio de painéis solares, cataventos eólicos e hidráulicos, assim como dessalinizar a água do mar a fim de torna-la potável e abrigar na popa uma horta com verduras frescas que faz com que esses longos momentos sejam muito mais confortáveis.

O tempo predominante bom com ventos constantes de mais de 15 nós chegava a 35 nós em algumas horas, o barco adernado sempre a mais de 30º deixava a tripulação se segurando o tempo todo para não cair, com ondas grandes que estouravam no deck do barco e que fizeram da nossa travessia uma prova de resiliência, mas todos os embarcados sabiam que a presença do Capitão Vilfredo e do Primeiro Imediato Wilhelm era garantia de segurança.

Foi a travessia mais longa da Expedição Oriente até agora. O cheiro de terra e a alegria dos tripulantes ao ver o verde das montanhas de Maurícius era a recompensa que todos esperavam. Chegamos em segurança em Maurícius e atracamos em Port-Louis, o principal porto na cidade, para começar a descobrir o que a ilha teria para nos oferecer.

Logo nos primeiros dias, presenciamos uma regata de pirogas, tradicionais e coloridos barcos à vela da região, em uma baía de água azul-turquesa. Fizemos dois mergulhos, um deles de snorkel com golfinhos que deixou todos os tripulantes maravilhados com o local. Por mais que barcos cheios de turistas chegassem a todos os minutos, os mamíferos continuavam a nadar e a se aproximar com muita curiosidade em uma dança aquática hipnotizante.

A mansão Eureka também merece ser lembrada, onde nossa Chef Erika teve uma aula de gastronomia creole na casa centenária que abrigava, na época de sua construção, uma família dona de plantação de cana de açúcar, atividade que ainda hoje representa grande parte da economia da ilha além do turismo.

O ótimo relacionamento com o MTPA - Ministério do Turismo nos proporcionou acesso a todos esses locais e fomos convidados para uma dança tradicional em uma das praias da ilha com um por do sol incrível. A sega dance é uma dança tradicional local em que não se tira os pés do chão e é cantada em creole com letras em protesto às injustiças praticadas na época da escravidão.

Nos últimos dias de nossa estadia na ilha, fomos celebrar junto às tradições locais o dia do nascimento de Ganesha, um deus Hindú que faz parte da religião de 48% da população de Maurícius. Uma festa colorida, com muita música, comida e orações que reuniam famílias locais em uma celebração que terminou com as imagens da figura com cabeça de elefante sendo imergidas nas águas de um rio, simbolizando a lenda do nascimento e celebrando o aniversário de Ganesha.

Partimos com essas lembranças de Maurícius, conhecendo mais da história da região e a relação dos colonizadores com a escravidão na época.

 

Movimento patrocinado pela Estácio espalha esculturas pelo Rio



Estácio - 28/09/2015 às 16:33

Cigarro de quatro metros de altura foi fixado na Cinelândia, no Centro. Especialista diz que 'pequenos lixos' prejudicam a drenagem urbana.

Uma campanha contra o descarte de lixo nas ruas tomou o Rio nesta segunda-feira (5). Esculturas gigantes foram espalhadas por diversos pontos da cidade para mostrar que “pequenos lixos” são um grande problema. O objetivo é alertar para as guimbas de cigarro, canudos e sacos plásticos que são jogados no chão.

A iniciativa do “Rio Eu Amo Eu Cuido”, movimento patrocinado pela Estácio, instalou quatro monumentos, de quatro metros de altura cada, em pontos específicos das zonas Sul, Norte, Oeste e Centro. Na Cinelândia, no Centro, um cigarro gigante foi colocado na praça para chamar a atenção dos pedestres. Já na Praça Antero de Quental, no Leblon, Zona Sul, um copo derramando café também foi fixado para conscientizar a população.

“A ideia é chamar atenção para algo que costuma ser minimizado na lista de problemas da cidade, o lixo. Vamos aumentar em tamanho gigante algo que normalmente é invisível aos rotineiros olhos cariocas”, destacou Ana Lycia Gayoso, coordenadora do movimento.

Além de deixar qualquer ambiente com aspecto sujo, os pequenos lixos prejudicam a drenagem urbana. “De guimba em guimba, de canudo em canudo, as galerias subterrâneas vão sendo entupidas, prejudicando o escoamento da água das chuvas e causando as desastrosas enchentes da cidade”, explicou o professor de Engenharia Ambiental da Estácio Modesto Junior.

 
foto-1

Estácio apoia projeto gratuito de leitura para crianças de Aracaju



Estácio - 28/09/2015 às 16:33

Um ônibus transformado em biblioteca chega pela primeira vez a Aracaju. Em comemoração aos seus 45 anos, a Estácio traz à capital de Sergipe o projeto Livros nas Praças, que promove o acesso à cultura e à informação para a população soteropolitana pelas próximas duas semanas. De 14 até 25 de setembro, a biblioteca sobre rodas vai estar na Praça Eronildes de Carvalho, no bairro Salgado Filho, com empréstimo gratuito de livros das 10h às 16h, de segunda a sexta-feira.

Para Claudia Andrade, idealizadora do projeto e coordenadora da empresa Korporativa Marketing Cultural, o objetivo do Livros nas Praças, que nasceu no Rio de Janeiro, é incentivar o hábito da leitura através do empréstimo gratuito de livros. “Os visitantes podem ler dentro do ônibus, que foi completamente adaptado para o projeto e possui acessibilidade para pessoas com deficiência. Não ter uma biblioteca com diversidade de títulos e a possibilidade de empréstimo é uma barreira hoje em dia. A itinerância do Livros nas Praças quer justamente quebrar essa barreira”.

Para auxiliar os leitores, o espaço conta com a presença de três profissionais: dois monitores literários e uma coordenadora, todos formados na área de literatura. São esperadas em torno de 250 pessoas por dia.

O acervo conta com dois mil títulos, entre livros infantis, juvenis e adultos. Cerca de 70% do acervo são de autores brasileiros, como Ana Maria Machado, Thalita Rebouças, Pedro Bandeira e Monteiro Lobato. Além disso, há 60 livros infantis em braile, alguns com ilustração e áudios, 30 em braile para adultos e ainda 50 livros em homenagem às culturas afro-brasileira e indígena.

Segundo Paulo Rafael Monteiro, diretor da Estácio em Aracaju, o acesso aos livros pode mudar o futuro de um país. “A missão da Estácio é educar para transformar. E a leitura é um dos melhores hábitos que crianças e jovens deste país devem adotar para se tornarem cidadãos críticos, criativos e conscientes de seu papel na sociedade. Neste sentido, a vinda do projeto Livro nas Praças, como parte das comemorações pelos 45 anos da Estácio, é muito bem-vinda”, disse.

De acordo com a pesquisa Retratos da Leitura no Brasil, realizada em 2011 pelo Instituto Pró-Livro e pelo IBOPE, com foco em medir intensidade, forma, motivação e condições de leitura da população brasileira, 18% dos brasileiros não têm acesso a bibliotecas e 75% afirmam não ter o hábito de frequentá-las.

O projeto é patrocinado pela Estácio por meio de lei de incentivo federal.

 

Estácio apoia Seminário sobre o Rio de Janeiro



Estácio - 11/09/2015 às 16:00

Em comemoração aos 45 anos da Estácio e ao 450º aniversário do Rio de Janeiro, a Estácio vai apoiar o seminário "Pensar o Rio - um olhar no tempo", de 12/09 a 17/10, na Biblioteca Parque (RJ). Dividido em quatro encontros temáticos, quinzenais e gratuitos, o evento reunirá expoentes de diversas vertentes: cinema, teatro, música, esportes, assim como jornalistas, políticos, economistas, ambientalistas e historiadores para traçar um panorama do Rio de ontem e hoje, além de apontar possíveis caminhos para o futuro. O Rio de Janeiro vive um momento singular. Às vésperas de sediar as Olimpíadas, a "Cidade Maravilhosa" passa por transformações estruturais, que modificam sua paisagem e a relação do carioca com o espaço urbano. Por outro lado, e ao mesmo tempo em que atrai os olhares do mundo ao abrigar grandes eventos internacionais, a vitrine cultural e comportamental do país tem perdido seu protagonismo em áreas como a música – ao ceder espaço para gêneros de outras regiões –, e o futebol, que vive uma crise em seus principais clubes. A cidade tem ainda vivido suas questões históricas, como a poluição da Baía de Guanabara, das praias e da malha hídrica frente à realidade dos jogos de 2016.

“Em 2015, o Rio celebra seus 450 anos e a Estácio, seus 45 anos de existência. Portanto, é um ano muito simbólico para a nossa instituição, que vem investindo muito na cultura do Rio e do país de uma forma geral. Através de projetos como o Pensar o Rio, nosso objetivo principal é proporcionar experiências enriquecedoras para os nossos alunos, que transcendam as salas de aula. Neste sentido, o projeto está absolutamente em linha com a missão da Estácio, que é ´Educar para Transformar´”, afirma João Barroso, diretor de Relações Corporativas.

O projeto "Pensar o Rio - um olhar no tempo" é um dos mais de 40 projetos apoiados pela Estácio por meio das leis de incentivo.

Acesse a programação aqui

PENSAR O RIO, UM OLHAR NO TEMPO
De 12 de setembro a 17 de outubro
Sábados, às 16h
Biblioteca Parque - Auditório Darcy Ribeiro - Av. Pres. Vargas, 1.261 - Centro -
Entrada franca | Distribuição das senhas a partir das 15h

 

Rolé Carioca pelas ruas do Catumbi



Estácio - 11/09/2015 às 16:00

O Rolé Carioca realizou no dia 30 de agosto, no Catumbi, o quinto passeio histórico-cultural desta terceira edição do projeto. No evento o público presente acompanhou os professores de História da Estácio, Rodrigo Rainha e William Martins, e conheceu mais e melhor a historia desse bairro.

O roteiro do passeio percorreu o seguinte trajeto: Rua Frei Caneca, Rua Carolina Reidner, Rua do Chichorro, Rua Itapiru, Rua dos Coqueiros, Mem de Sá, Sinagoga do Rio de Janeiro e Praça da Cruz Vermelha. Entre os principais locais visitados estão o antigo Complexo Penitenciário Frei Caneca, o Sambódromo, o Cemitério São Francisco de Paula, a Igreja Nossa Senhora de Salete, o Túnel Santa Bárbara e a Sinagoga Grande Templo Israelita.

O Catumbi abrigou várias figuras históricas do país, como o patrono do Exército Brasileiro, Duque de Caxias; o jornalista, comerciante, político e empresário brasileiro Teófilo Ottoni; o empresário, industrial, banqueiro e nobre Visconde de Mauá, e o senador e ex-ministro Marquês de Sapucaí, entre outros. Também teve entre seus moradores grandes músicos, compositores e cantores.

“No Catumbi ainda há muitos sobrados, casas geminadas, cadeiras na calçada e botecos, muitos botecos. Portanto, não poderia ser mesmo diferente, em se tratando de um bairro que viu Pixinguinha nascer, criou Jorge Ben e abrigou Ataulfo Alves, Vicente Celestino, Ismael Silva e Moreira da Silva, o último dos malandros, que nunca bebeu” – conta Rodrigo Rainha.

O Rolé Carioca é mais um projeto patrocinado pela Estácio por meio da lei de incentivo.

foto-1
foto-1
foto-1
foto-1
foto-1
foto-1
foto-1
foto-1
foto-1
foto-1
 

Festival “Musica na Estrada” é lançado em Manaus



Estácio - 11/09/2015 às 15:21

A 5a. EDIÇÃO DO PROJETO VAI CONECTAR A AMAZÔNIA POR MEIO DAS ARTES

Uma conexão das artes vai interligar seis estados da Amazônia Brasileira. O “Música na estrada” que nasceu em 2011, idealizado pela Kommitment Produções Artísticas, vai viajar por estradas e florestas para levar a integração cultural ao Norte do País. O Festival será realizado em OUTUBRO e NOVEMBRO DE 2015 em MANAUS, RIO BRANCO, PORTO VELHO, BOA VISTA e, pela primeira vez, as cidades de BELÉM e MACAPÁ vão participar do projeto. Artistas das capitais citadas se apresentarão em suas cidades e também em outras, ao lado de convidados de outras regiões do país por meio da música, dança e teatro. Durante o intercâmbio, a Amazonas Filarmônica, por exemplo, vai se apresentar em Boa vista e Porto Velho, já Rio Branco deve receber o Corpo de Dança do Amazonas. O “Música na Estrada” contempla ainda nomes consagrados como, Cia Focus de Dança e o gaitista norte americano Robert Bonfiglio, além de Roberto Menescal e Leila Pinheiro. De acordo com o diretor de negócios da Kommitment, Fernando Ramos, o intercâmbio vai proporcionar um dialogo entre essas seis capitais em busca de mais pedagogia e de conteúdos culturais.

“Através desse intercâmbio a região pode crescer culturalmente, e a longo prazo podemos criar um novo mercado para conteúdos daqui da região e outros conteúdos de outras regiões do Brasil e até do mundo. O objetivo é provocar para viabilizar outros patrocinadores e sensibilizar a iniciativa privada, os governos municipais e estaduais a investirem no projeto”, declarou o diretor.

A 5ª. Edição do Festival foi lançada em Manaus, nesta terça-feira (25), no Centro Cultural Palácio da Justiça. Para o maestro Marcelo de Jesus, representante da Secretaria de Estado da Cultura, projetos desse porte são vistos em grandes capitais como São Paulo, Rio e Belo Horizonte.

“Agora, temos a oportunidade de ter esse projeto aqui na Amazônia, essa quinta edição é grande, do tamanho da região. São muitas forças juntas, estamos todos conectados na mesma sintonia”, salientou Marcelo.

O “Música na Estrada” é consagrado como um dos maiores projetos culturais da região norte. Depois de quatro edições dedicadas à música de concerto e oficinas instrumentais nas principais capitais do norte do país, o Festival amplia sua proposta artística abrindo espaço para a música instrumental, dança e teatro. Em paralelo às atividades artísticas, o projeto realizará ainda palestras sobre Gestão Cultural e as já tradicionais oficinas de aprimoramento. Em sua 5ª edição terá um público estimado em 12 mil pessoas.

Durante a coletiva de imprensa, O diretor de núcleo da Estácio Manaus, Roberto Santos, disse que a região possui uma riqueza cultural, não só no sentido de música, não só da arte cênica, mas uma diversidade de expressões, que tem um volume que nós precisamos trabalhar.

“Agora vamos pensar, esse espírito de transformação musical, pela dança pela arte cênica, recebendo uma injeção de gás, uma dimensão maior, deixando de ser um caso isolado, deixando de ser uma marca local, deixando de ser algo que acontece aqui, mas não acontece acolá. A transformação se dá por isso, oportunizar o encontro das expressões artísticas, das pessoas que utilizam a arte com profissão, como aspiração de vida, meio de educação, de cidadania. O Festival Música na Estrada tem uma repercussão e importância infinitamente maior que o show que ele apresenta”, acrescentou o diretor.

O “Festival Música na Estrada” tem a realização pelo Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), pela Instituição de Ensino Superior Estácio e Kommitment Produções, além do apoio da Secretaria de Estado da Cultura.

foto-1
foto-1
foto-1
foto-1
foto-1
foto-1
 

Memória política de Leonel Brizola será tema do 6º Encontro com Territórios, na Biblioteca Estação Leitura



Estácio - 11/09/2015 às 15:00

A Biblioteca Estação Leitura, lançada com o objetivo de investir em estratégias pedagógicas de estímulo à leitura, localizada na estação Central do MetrôRio, vai promover a 6ª edição do Encontro com Territórios – uma série de ações literárias focadas em tardes de autógrafos realizadas com diversos escritores – reforçando a sua estratégia de "lançamentos sociais", quando o autor convidado autografa seu lançamento que é oferecido gratuitamente ao público. A nova edição do evento abordará o tema político com a obra “Brizola”, de Clóvis Brigagão e Trajano Ribeiro. O projeto conta com o patrocínio da Estácio.

A 6ª edição, que será realizada no dia 18 de setembro, às 19h, discute o momento político atual trazendo as memórias de Leonel Brizola e como seria se ele ainda estivesse atuando no cenário político do país. O jornalista Claufe Rodrigues comanda o Talk-Show com os autores Clóvis Brigagão e Trajano Ribeiro, para um bate-papo aberto ao público em um envolvimento social político e não partidário, inserindo o legado de Brizola. Em seguida, Clóvis e Trajano autografam 80 exemplares do livro “Brizola”, que serão distribuídos gratuitamente aos leitores da biblioteca. Esta nova edição do Encontro com Territórios levará aos leitores da Biblioteca Estação Leitura a memória de um dos grandes articuladores da política brasileira e aos usuários do MetrôRio a diversidade cultural da cidade do Rio de Janeiro.

Para a diretora executiva do projeto, Cristina Oldemburg, é importante destacar o quanto um político com o perfil de Leonel Brizola faz falta em tempos de crise política. “Trazer este tipo de literatura para o público permite uma reflexão importante para uma avaliação da nossa crise política atual. Estamos dando acesso à informação e ao conhecimento de temas relevantes para 100 mil pessoas que passam pelo metrô diariamente”, conta ela.

Oldemburg acrescenta ainda que a missão da biblioteca popular é estimular a leitura, formar novos leitores, formar plateia para debate e criar pensamento crítico sobre questões que fazem parte do nosso cotidiano. “O sentimento do pertencimento do objeto livro é fantástico, pois a grande maioria dos leitores da Biblioteca Estação Leitura não tem recurso para comprar uma obra literária de qualidade. Eles esperam ansiosos pelo Encontro com Territórios”, finaliza ela.

foto-1
foto-1
 

Estácio apoia projeto gratuito de leitura para crianças de Salvador



Estácio - 11/09/2015 às 14:31

Um ônibus transformado em biblioteca chega pela primeira vez a Salvador. Em comemoração aos seus 45 anos, a Estácio traz à capital da Bahia o projeto Livros nas Praças, que promove o acesso à cultura e à informação para a população soteropolitana pelas próximas duas semanas. De 31 de agosto até 11 de setembro, a biblioteca sobre rodas vai estar na Praça do Uruguai, no bairro Uruguai, com empréstimo gratuito de livros das 10h às 16h, de segunda a sexta-feira.

Para auxiliar os leitores, o espaço conta com a presença de três profissionais: dois monitores literários e uma coordenadora, todos formados na área de literatura. São esperadas em torno de 250 pessoas por dia.

O acervo conta com dois mil títulos, entre livros infantis, juvenis e adultos. Cerca de 70% do acervo são de autores brasileiros, como Ana Maria Machado, Thalita Rebouças, Pedro Bandeira e Monteiro Lobato. Além disso, há 60 livros infantis em braile, alguns com ilustração e áudios, 30 em braile para adultos e ainda 50 livros em homenagem às culturas afro-brasileira e indígena.

Segundo Juarez Ramos, diretor de núcleo do Centro Universitário da Bahia, o acesso aos livros pode mudar o futuro de um país. “A missão da Estácio é educar para transformar. E a leitura é um dos melhores hábitos que crianças e jovens deste país devem adotar para se tornarem cidadãos críticos, criativos e conscientes de seu papel na sociedade. Neste sentido, a vinda do projeto Livro nas Praças, como parte das comemorações pelos 45 anos da Estácio, é muito bem-vinda”, disse.

De acordo com a pesquisa Retratos da Leitura no Brasil, realizada em 2011 pelo Instituto Pró-Livro e pelo IBOPE, com foco em medir intensidade, forma, motivação e condições de leitura da população brasileira, 18% dos brasileiros não têm acesso a bibliotecas e 75% afirmam não ter o hábito de frequentá-las.

O projeto é patrocinado pela Estácio por meio de lei de incentivo federal.

foto-1
foto-1
foto-1
foto-1
 

Circuito Cultural da Cidadania apresenta esquetes teatrais para conscientizar o consumo de crianças e suas famílias.



Estácio - 11/09/2015 às 14:31

ODe 31 de agosto a 10 de setembro, projeto irá a escolas públicas de Nova Iguaçu, Mesquita, Jacarezinho, Engenho da Rainha e Gávea

Com esquetes teatrais voltadas para a conscientização de crianças e seus familiares da importância do consumo consciente, o Circuito Cultural da Cidadania entra na sua segunda fase para celebrar o Dia Nacional sem Tabaco e o Dia da Amazônia. De 31 de agosto a 10 de setembro, o projeto irá a escolas públicas de Nova Iguaçu, Mesquita, São Gonçalo, Jacarezinho, Engenho da Rainha e Gávea. Cerca de 2 mil crianças de escolas do Caju, Colégio, Rocha Miranda e Copacabana participaram em junho do primeiro bloco, que teve como tema a Semana Mundial do Meio Ambiente.

Concebido para dialogar com toda a família, mas com foco nas crianças de 6 a 12 anos, o Circuito Cultural da Cidadania é uma iniciativa da agência cultural Kommitment Produções em parceria com a Mad Science Brasil. O projeto foi beneficiado pela Lei do ISS da Prefeitura do Rio de Janeiro tendo como principais incentivadores o Grupo Libra, Grupo Estácio e MetrôRio. Todas as atividades são gratuitas.

Com duração de 60 minutos e capacidade para até 150 crianças, as esquetes têm no conceito do “entretenimento educacional mãos na massa” sua principal característica. Encenadas por “cientistas malucos”, envolvem o público por intermédio da diversão interativa, facilitando assim o entendimento sobre como lidar com o mundo de forma harmoniosa. O cenário, um retrato da nossa cidade, vai mostrando em detalhes como podemos, cada um no seu quadrado, contribuir para a construção de um mundo melhor.

Os criadores do projeto, Márcia Ximenez e Fernando Ramos, sócios da Kommitment, veem como premissa fundamental a absorção das ideias do projeto pelo público infantil que, entendendo a mensagem, replicará aos amigos e familiares, gerando uma grande cadeia de conscientização.

A previsão é que o projeto dialogue com 10 mil espectadores.

“Acreditamos que o entretenimento educacional é uma forma eficaz de demonstrar a importância de um relacionamento harmonioso com o meio ambiente”, explica Fernando Ramos.

A plateia será confrontada com temas que fazem parte do nosso dia a dia: transporte, energia, lixo, hábitos saudáveis e, claro, a água. A consciência ambiental, práticas eficientes e a preservação de nossos recursos naturais são os principais objetivos a serem alcançados. “O projeto estabelece um modo diferente, divertido, de lidar com a questão do consumo, sem tirar a seriedade do tema. Sair do modelo tradicional e informar de maneira lúdica é o que faz o sucesso do projeto”, diz Dany Artel, diretor da Mad Science Brasil.

foto-1
foto-1
 

Rede Escola Rio apresentou filmes produzidos por estudantes da Rede Municipal



Estácio - 04/08/2015 às 13:05

O projeto Rede Escola Rio (RER) apresentou em uma sessão especial os curtas de ficção e documentário, inspirados no tema “O Rio que é Verde”, produzidos pelos estudantes da Rede Municipal do Rio de Janeiro, no semestre passado em oficinas extracurriculares. O evento aconteceu no último dia 21 de agosto, no Teatro de Câmara da Cidade das Artes, na Barra.

O projeto é patrocinado pela Estácio, com apoio das secretarias municipais de Educação e de Cultura, e realizado pela Bang Filmes & Produções.

“O tema das áreas verdes da cidade maravilhosa foi o foco do primeiro dos cinco módulos do RER, O RIO QUE É VERDE, iniciado em agosto de 2014 e que já impactou um público de mais de 8 mil alunos. Desejamos que esta ação se consolide cada vez mais e se torne uma boa prática no município, podendo ser replicada para outras praças”, idealiza Juliana de Carvalho, da Bang Filmes, responsável pelo projeto.

O projeto Rede Escola Rio foi elaborado em parceria com a Gerência de Mídia-Educação, da Secretaria Municipal de Educação do Rio de Janeiro, como um investimento na criatividade artística e na capacidade dos estudantes e educadores cariocas de construir uma cidade sustentável. A proposta é incentivar os participantes a mapear e registrar diferentes localidades e, com isso, promover o resgate das histórias do Rio e a reflexão sobre a relação dos cariocas com a cidade que habitam.

Os Curtas-metragens estão disponíveis no link: https://www.youtube.com/channel/UC7GUzk4RwT1W2MqHe3TbeSA

foto-1
foto-1
foto-1
foto-1
 

Biblioteca Estação Leitura promove 5º Encontro com Territórios com participação especial de Elisa Lucinda



Estácio - 04/08/2015 às 13:05

A Biblioteca Estação Leitura, lançada com o objetivo de investir em estratégias pedagógicas de estímulo à leitura, localizada na estação Central do Metrô Rio, vai promover mais uma série do Encontro com Territórios. O evento faz parte da 5ª edição do Encontro com Territórios – uma série de ações literárias focadas em tardes de autógrafos realizadas com diversos autores e tem como tema a abordagem sobre diferentes territórios culturais nas obras dos autores convidados.

Para a esta nova edição, dia 14 de agosto, às 18h, será realizado um Talk-Show comandado pelo jornalista e poeta Claufe Rodrigues, com a escritora Guiomar de Grammont, além da participação da poetisa Elisa Lucinda. Em seguida, Guiomar vai autografar 80 exemplares do livro “Palavras Cruzadas”, que serão distribuídos gratuitamente aos leitores da biblioteca. O Encontro com Territórios irá levar aos leitores da Biblioteca Estação Leitura a realidade e a diversidade cultural da cidade do Rio de Janeiro com seus inúmeros e contrastantes territórios.

O romance “Palavras Cruzadas” fala da luta da jornalista Sofia, em busca do paradeiro do irmão Leonardo, um guerrilheiro desaparecido nas selvas do Araguaia durante o regime militar brasileiro. A história é permeada de incertezas e perguntas, com respostas incompletas e insatisfatórias. Um clima de tragédia paira sobre os personagens e acontecimentos. Habituada a recorrer a todas as ferramentas que a literatura e a língua portuguesa oferecem, Guiomar de Grammont utiliza frases curtas, precisas e inesperadas, às vezes carregadas de poesia para compor a trama.

A Estácio patrocina a Biblioteca Estação Leitura como uma iniciativa do pilar Estácio Cultural do Programa de Responsabilidade Social Corporativa - Educar para Transformar.

SERVIÇO:
Projeto 5º Encontro com Territórios
Local: Biblioteca Estação Leitura, na Estação Central do MetrôRio
Data: 14 de agosto
Horário: 18h
Evento gratuito

 

CINEMA PREMIADO



Estácio - 04/08/2015 às 13:05

O Curso de Cinema na Unidade João Uchôa, no Rio de Janeiro, teve seis filmes selecionados para o 3º Festival Brasil de Cinema Internacional, uma vitrine da produção audiovisual brasileira e internacional que estimula os realizadores com uma importante janela de exibição e difusão, promovendo a cultura brasileira. O Festival ocorre entre os dias 19 e 22 de agosto e sua programação está disponível em www.brasilfestival.com.br.

Os filmes serão exibidos na Seção Competitiva Universitária do Festival. Confira a lista:
"Anônimo” – de Luciana Alvim e Pedro Gonzalez
"Leite e Sangue" – de Juliana Lira de Andrade
"Mentes Iluminadas" – de Luisa Schimidt
"Rua do Encanto 22" – de Luan Moreno
"Um José Chamado Pelintra" – de Adolfo França
"200 mm" – de Gabriel Panazio
"300 milésimos" – de Daniel Cabral e Stephanie Oliveira

 

DA TELA ÀS PASSARELAS



Estácio - 04/08/2015 às 13:03

O cinema foi o tema do desfile dos formandos do curso de Design de Moda da Estácio, em São Paulo. Inspirado em filmes nacionais e estrangeiros, o evento ocorreu no último 16 de junho e foi organizado pelos próprios alunos da Estácio, que criaram peças originais e produziram 42 looks exclusivos para o desfile de conclusão de curso. Entre os filmes escolhidos estavam clássicos como “Bonequinha de Luxo”, “Titanic”, “Moulin Rouge” e o brasileiro “O Cangaceiro”.

A maquiagem dos modelos foi coordenada pela educadora Maria Augusta Bodick, do Instituto Criar de TV, Cinema e Novas Mídias, fundado pelo apresentador de TV Luciano Huck e parceiro institucional da Estácio na área de Responsabilidade Social.

Cerca de 150 pessoas assistiram ao desfile, que contou com apresentação da banda Clã dos Loucos e da cantora, e aluna de Artes Visuais da Estácio, Lohren Beaty interpretando “I will survive”, da trilha-sonora do filme “Priscilla, a Rainha do Deserto”.

 

Estácio celebra 18 anos do curso de Arquitetura e Urbanismo com série de debates e exibição de documentário sobre a vida de Sérgio Bernardes



Estácio - 26/08/2014 às 11:18

A Estácio promove até setembro o "Circuito Estácio do filme Bernardes", série de debates seguidos da exibição do documentário “Bernardes” – patrocinado pela Estácio por meio da lei de incentivo -, que mostra a trajetória do célebre arquiteto brasileiro. O circuito marca o início da celebração dos 18 anos do curso de Arquitetura e Urbanismo da Estácio e tem objetivo de divulgar a obra de Sérgio Bernardes entre futuros arquitetos e urbanistas, além de transmitir para a nova geração uma importante parte da história da arquitetura do Brasil.

A abertura do evento foi realizada no dia 13 de agosto no MAR (Museu de Arte do Rio). A mesa redonda no MAR teve a presença de Thiago Bernardes, neto de Sérgio, autor do projeto do MAR e também do argumento que deu origem ao documentário; Carlos Eduardo Nunes-Ferreira, diretor nacional da Associação Brasileira de Ensino da Arquitetura e Urbanismo; Igor de Vetyemy, coordenador do curso de Arquitetura e Urbanismo da Estácio; Sydnei Menezes, presidente do Conselho de Arquitetura e Urbanismo; Vicente Giffoni, presidente da Associação Brasileira de Escritórios de Arquitetura; e Edivaldo Souza Cabral, presidente do Sindicato de Arquitetos do Rio de Janeiro.

Após o debate, o documentário “Bernardes” foi exibido. O filme, que está na seleção oficial do festival “É Tudo Verdade”, será apresentado também nos campi da Estácio que oferecem o curso de Arquitetura e Urbanismo, em três estados: Rio de Janeiro, Ceará e Santa Catarina.

“Neste ano festivo para o curso de Arquitetura e Urbanismo, queremos fomentar a discussão de temas essenciais à prática de projeto arquitetônico, oferecer uma possibilidade real de diálogo dos nossos estudantes com a comunidade arquitetônica e reforçar entre eles a cultura da participação em atividades extracurriculares”, afirma Igor de Vetyemy.

AGENDA DE EXIBIÇÃO DO FILME:

18 de agosto: Campus Tom Jobim, da Estácio, na Barra (RJ).
29 de agosto: Campus da Estácio em Niterói (RJ).
05 de setembro: Campus da Estácio em Petrópolis (RJ).
09 de setembro: Campus da Estácio Centro IV, na Praça Onze (RJ).
19 de setembro: Campus Via Corpvs, em Fortaleza (CE).
26 de setembro: Campus da Estácio Assesc em Florianópolis (SC).

foto-1
foto-1

Na vanguarda do Empreendedorismo Social



Estácio - 17/06/2015 às 12:14

 

A Estácio recebeu o vencedor do Nobel da Paz de 2006, Muhammad Yunus, em um encontro presencial exclusivo com 120 alunos e colaboradores no Espaço NAVE (RJ), no último dia dois.

Considerado um precursor do microcrédito e de negócios sociais, o bengalês compartilhou sua trajetória de vida e defendeu o empreendedorismo social como caminho para a erradicação da pobreza no mundo. A ocasião também marcou a assinatura de um protocolo de intenções entre a Yunus Social Business Brazil (YSB) e a Estácio, que passa a integrar a Rede Yunus de Universidades, tornando-se sua parceira preferencial entre as universidades brasileiras.

O acordo envolve o desenvolvimento um game de empreendedorismo social – num trabalho colaborativo entre a Fábrica do Conhecimento, da Estácio, e a YSB – e a criação de um grupo de estudos para a construção de um projeto de microcrédito educacional para o Brasil, seguindo o modelo implantado por Yunus, com sucesso, em Bangladesh.

Com a parceria, professores e alunos da Estácio terão acesso ao conteúdo elaborado pela Rede Yunus de Universidades, participarão anualmente da reunião nacional da entidade e estarão em contato com seus membros de outros países. “Estamos preparados para capacitar professores, e até mesmo alunos, para se tornarem multiplicadores do conceito de negócio social”, explica o gestor da Yunus Negócios Sociais Brasil, Rogério Oliveira.

Para o presidente da Estácio, Rogério Melzi, a visita de Yunus foi um dia histórico, mais um marco em 2015, quando a instituição de ensino completa seus 45 anos. “Com sua experiência e visão de futuro, Muhammad Yunus ajudará a Estácio a seguir firme em sua estratégia de inovação, que vai muito além do uso de recursos tecnológicos em sala de aula ou de nosso modelo de ensino. Queremos impregnar nos nossos mais de 400 mil alunos a disposição para o empreendedorismo social.”

 

Rolé Carioca atravessa a Baía de Guanabara para passear em Niterói



Estácio - 12/05/2015 às 12:38

 

Após o imenso sucesso do primeiro passeio do ano, realizado no Centro do Rio, desta vez o Rolé Carioca não foi a um bairro, mas sim a uma querida cidade vizinha: Niterói. No dia 26/04, o público presente acompanhou os professores de História da Estácio, Rodrigo Rainha e William Martins, a conhecer mais e melhor a Cidade Sorriso, como Niterói também é conhecida.

Os primeiros passos em Niterói foram dados no Caminho Niemeyer, um conjunto arquitetônico de grande valor cultural projetado por Oscar Niemeyer. Com este conjunto, Niterói se tornou a segunda cidade do mundo com a maior quantidade de obras projetadas pelo famoso arquiteto, perdendo apenas para Brasília. O Caminho Niemeyer possui atualmente sete equipamentos urbanos: Memorial Roberto Silveira, Fundação Oscar Niemeyer, Teatro Popular, Praça JK, Centro de Cinema Petrobras, Museu de Arte Contemporânea e a Estação Hidroviária de Charitas.

Os passeios são apresentados de forma irreverente pelos professores William Martins e Rodrigo Rainha, que conquistaram seguidores oficiais do Rolé e vão ao longo de cada caminhada conquistando outros curiosos. Com muito conteúdo, mas com uma linguagem leve e divertida, a cidade do ponto de vista acadêmico se torna familiar e cheia de novos atrativos para o público.

Este é um dos mais de 40 projetos patrocinados pela Estácio por meio da lei de incentivo.

foto-1
foto-1

 

 

Monumento Estácio de Sá



Estácio - 30/04/2015 às 10:25

 

Exposição  - A Arte da Vida: o Rio pintado com a boca.



Documentário Bernardes



Estácio - 24/03/2015 às 11:50

 

O documentário “Bernardes” sobre a vida de um dos maiores arquitetos do Brasil, Sergio Bernardes, recebeu o Prêmio APCA (Associação Paulista de Críticos de Arte) na categoria Difusão / Arquitetura. O filme foi patrocinado pela Estácio por meio da lei de incentivo em comemoração aos 18 anos do curso de arquitetura e urbanismo, celebrados em 2014. 

Originado da busca pessoal de Thiago por conhecer melhor a história do avô, o longa, com direção de Gustavo Gama Rodrigues e Paulo de Barros, revela a vida do arquiteto, urbanista, designer, escritor, poeta, inventor. Mantido intacto desde sua morte, estão registrados ali os mais de 65 anos de produção intelectual que evidenciam o espírito inovador de um homem que veio ao mundo para propor-lhe novas possibilidades.

Além de contar a vida de um grande profissional, o documentário será muito útil para os alunos do curso de arquitetura e urbanismo. Isto porque ele conta com algo raro no País: a possibilidade de exploração de um vasto e rico material documental e iconográfico. O acervo do arquiteto reúne em 22.500 plantas, inúmeros croquis, textos, teses e poesias e mais de 8.000 fotografias.

Bernardes assinou inúmeros projetos no Brasil e no exterior pelos quais recebeu prêmios nacionais e internacionais. Alguns de seus projetos mais conhecidos são o Pavilhão de São Cristóvão e os Postos de Salvamento da Orla das praias, no Rio de Janeiro, o Palácio do Governo do Ceará, e o Hotel Tambaú, na Paraíba.

Aos 82 anos, quando faleceu, ainda se mantinha altamente produtivo e fiel às ideias que ficaram no papel e hoje, em pleno caos urbano e social do século XXl, mostram-se cada vez mais relevantes.

Este é um dos mais de 40 projetos apoiados pela Estácio por meio de lei de incentivo.

PROJETO “LIVRO NAS PRAÇAS” EM PARIS



Estácio - 28/04/2015 às 14:05

 

Realizada entre os dias 20 e 23 de março, a 35ª edição do Salão do Livro de Paris teve o Brasil como país homenageado. Como de hábito, o evento reuniu escritores, tradutores e editores no Parque de Exposições de Porte de Versailles. Mas a grande estrela, desta vez, foi a literatura brasileira. Nossa produção literária foi tema de palestras, conferências e de uma série de manifestações culturais na capital francesa, sem falar no espaço ocupado na mídia comum e em publicações especializadas.

“La Revue des Livres pour Enfants”, a revista da Bibliotheque Nacional de France dedicada à literatura infanto-juvenil, teve uma edição inteiramente dedicada ao Brasil e destinou uma de suas páginas a um projeto que a Estácio tem orgulho de patrocinar: Livro nas Praças.

Os franceses adoraram a ideia do ônibus-biblioteca, que teve mais de 10 mil visitantes em 2014 e continua a pleno vapor em 2015, com dois ônibus circulando simultaneamente pelas praças do Rio de Janeiro. A revista foi distribuída gratuitamente durante os quatro dias do Salão de Paris e, para dar um gostinho de como foi, traduzimos a chamada principal da matéria:

“Ao contrário das favelas na zona sul do Rio de Janeiro, as comunidades localizadas nas favelas da zona norte possuem pouco acesso a bibliotecas públicas. Nenhuma estrutura oferece o total acesso a títulos infanto-juvenis para estas crianças e adolescentes. Então, Cristina Figueiredo equipou dois ônibus para funcionarem como bibliotecas volantes que há mais de dois anos operam nestas áreas remotas.”

Merci, Livros nas Praças!

 

foto-1
 

Expedição Oriente – Família Schurmann



Estácio - 28/04/2015 às 11:25

 

Depois de passarem pela gelada Antártica, foi a vez da nossa expedição conhecer os canais, fiordes e histórias da Patagônia Chilena.

“ Os melhores caminhos são aqueles longos de percorrer, pois garantem novas aventuras e experiências.” Pierre Schurmann

As primeiras milhas de navegação pelos canais da patagônia chilena foram repletas de paisagens deslumbrantes. Pensamos que seria difícil encontrar lugares tão belos como a Antártica, mas a natureza continua a nos surpreender.

De Ushuaia (Argentina) até Punta Arenas (Chile) cruzamos o Canal de Beagle, que tem aproximadamente 240 km de comprimento e é considerado um dos locais de navegação mais importantes do extremo sul da América do Sul. No início do século XIX foi navegado pelo capitão Robert Fitzroy e pelo naturalista inglês Charles Darwin.

No Beagle pegamos dias perfeitos com montanhas nevadas e arco-íris, vimos baleias e golfinhos, mas o mais surpreendente ficou para o final da travessia, a impressionante Avenida dos Glaciares. Um trecho de navegação repleto de geleiras. Uma verdadeira passarela produzida pela natureza. Conseguimos chegar bem pertinho de gelo e o veleiro Kat ficou rodeado de “icebits”.

Os glaciares são formados por diversas camadas de neve compactada e recristalizada ao longo de milhares de anos. Só são encontrados em locais em que o acumulo de neve é superior ao derretimento do gelo. Na Avenida dos Glaciares, cada geleira foi batizada com o nome de um dos países que ajudaram a cartografar a região: Alemanha, França, Itália, Holanda e Suíça (Romanche).

No caminho até Punta Arenas também passamos por canais e baías chilenas de tirar o fôlego. No Seno Garibaldi encontramos um excelente ponto de ancorarem e um dos maiores glaciares da Patagônia Chilena. A água do canal parecia um espelho e as montanhas ao redor estavam cobertas de neve. Uma das coisas que tem nos impressionado desde a Antártica, quando encontramos os primeiros glaciares, é o diferente nível de ruídos ou sons que eles fazem quando um pedaço de gelo se desprende. Em uma das noites, ouvimos um estrondo que nos paralisou e, por alguns segundos, um ficou olhando para o outro de boca aberta de espanto.

Quando aportamos no Chile, um amigo nos falou de uma múmia encontrada na “Isla Capitan Aracena”, a 50 milhas de Punta Arenas. Nosso espírito explorador falou forte e navegamos até o local. Para nossa surpresa, ela está ali, em uma gruta de frente ao mar, totalmente protegida da chuva e dos ventos. Estudiosos acreditam que a múmia seja da tribo indígena Kawésqar, mas ainda há dúvidas e mistérios sobre sua origem, se foi conservada pela baixa temperatura e pouca humidade ou se passou por algum processo de mumificação.

Nos canais, passamos ainda por uma salmoneira que cria mais de 1 milhão de peixes. A temperatura das águas, as correntes e a limpeza da região proporcionam as condições ideias para a criação de peixes. Fomos presenteados com alguns salmões frescos e tivemos um delicioso almoço com a paisagem das montanhas chilenas.

Após muitas aventuras pelas águas ao redor do estreito de Magalhães, reencontramos a cidade de Punta Arenas. Já havíamos estado na cidade em 1997, durante nossa segunda volta ao mundo quando estávamos refazendo a rota de Fernando Magalhães. Desta vez fomos acolhidos pela sobrinha Vanessa e seu marido Cristian que nos deram ótimas dicas da cidade.

No Kiosko Roca, provamos o “chorisqueso” mais famoso do Chile. Um pequeno pão com pasta de chorizo e queijo, acompanhado com leite batido e banana. Uma delícia. Também fomos a um tradicional mercado de roupas de segunda mão que faz sucesso aos sábados entre os habitantes locais.

Em Punta Arenas, também visitamos a réplica em tamanho real da Nau Victoria, barco comandando por Fernando Magalhães que está nos livros de história como o primeiro barco a circundar o globo no século XVI. Por um dia, o Capitão trocou o veleiro Kat pelo histórico barco.

Dois encontros marcaram muito nossa parada em Punta Arenas. Conhecemos um artesão chamado Pepe que faz esculturas de madeira e resgata a cultura dos nativos da região. Em suas obras feitas de madeira, ele faz representações dos povos Ona, Teuleuche, Jagan e Kawésqar. Pepe nos apresentou Felícia, uma descendente Kawésqar, tribo nômade que habitava a região e se movimentava pelo mar, em canoas de 3 metros aproximadamente, sempre a remo.

Na cultura Kawésqar, a figura da mulher é muito forte. Mergulhavam na água fria para coletar mariscos e chegavam até 10 metros de profundidade. Para um homem ficar com uma mulher, ele precisava fazer uma boa canoa. Felicia mantém e preserva a história do seu povo que foi quase extinto durante a época da colonização.

Seguindo a tradição local, fomos até o centro da cidade, na Plaza de Armas, e passamos a mão no pé da estátua do Índio Ona, no monumento em homenagem a Fernão de Magalhães. Segundo a lenda local, quem faz isso sempre volta a Punta Arenas. Fizemos isso na primeira vez e voltamos 17 anos depois. Seguimos viagem pelos canais chilenos rumo a Puerto Montt. Quem sabe não voltaremos um dia.

foto-1
foto-1
foto-1
foto-1
foto-1
foto-1

 

 

 

Exposição Se Liga!



Estácio - 14/04/2015 às 14:42

 

A exposição - SE LIGA! - está em sua terceira edição e apresenta a relação arte-ciência em obras que convidam o público a interagir com conceitos e curiosidades científicas. A apresentação lúdica e divertida de temas aparentemente complexos reforça uma das principais diretrizes do estúdio M’Baraká, responsável pela concepção, curadoria e direção artística da exposição: promover uma experiência integral, que combina design e conteúdo - sempre priorizando o diálogo direto com o público. É a partir deste conceito que a Expo - SE LIGA! - propõe uma experiência diferente, em uma espécie de “laboratório divertido”, onde as disciplinas dialogam: MATEMÁTICA E HISTÓRIA SE COMPLEMENTAM, POESIA E FÍSICA SE APROXIMAM E A BIOLOGIA INSPIRA O CINEMA...

Da grande aventura do conhecimento humano através dos tempos aos experimentos genéticos ultra contemporâneos, das investigações sobre astronomia e teorias da evolução à física quântica e nossa relação com o tempo, da botânica à anatomia – cabe de tudo um pouco nesta exposição que convida o público a explorar conceitos e conhecimentos de forma lúdica e artística. Caminhos híbridos em que a experimentação e a liberdade para conhecer e sentir são ingredientes que fomentam novas percepções, interesses, habilidades e paixões.

A mostra, que propõe um diálogo entre arte e ciência, contará com obras de artistas brasileiros e estrangeiros e fica em cartaz entre 08 de abril e 25 de maio no CCBB-Rio

A exposição é um dos 40 projetos patrocinados pelo pilar Estácio Cultural por meio de lei de incentivo.

 

foto-1
foto-2

 

 

Começa a Edição 2015 do Rolé Carioca



Estácio - 01/04/2015 às 08:42

 

Como parte das comemorações dos 45 anos da Estácio e dos 450 anos do Rio de Janeiro, o Rolé Carioca está de volta. A edição 2015 do projeto está ainda mais completa e a programação faz parte do calendário oficial dos 450 anos do Rio. No domingo (29/3), os passeios histórico-culturais criados pelos coordenadores do curso de história da Estácio, Rodrigo Rainha e William Martins, foram retomados.

O ponto de encontro foi no Largo da Misericórdia, no centro do Rio. O trajeto incluiu a Ladeira da Misericórdia, Igreja Nossa Senhora de Bonsucesso, Igreja de Santa Luzia, Museu Nacional de Belas Artes, convento de Santo Antônio, Pedra do Sal, Morro da Conceição e Jardim do Valongo, dentre outros pontos históricos da cidade maravilhosa.

 

Este é um dos mais de 40 projetos apoiados pela Estácio por meio de lei de incentivo.

 

Sobre os professores:

William Martins é doutor em História pelo programa de pós-graduação em História Social da Universidade Federal do Rio de Janeiro (PPGHIS/UFRJ) e coordenador pedagógico nacional do curso de História da Estácio; e Rodrigo Rainha é doutor em História Comparada pela UFRJ e coordenador do curso de História da Estácio.

 

Update Expedição Schurmann - Antártica



Estácio - 24/03/2015 às 11:45

 

 

Após duas maravilhosas semanas no continente gelado, a família Schurmann segue viagem, mas antes querem contar um pouco mais como foram os dias na Antártica: “Ancoramos dentro da cratera da Deception Island, uma ilha vulcânica descoberta em 1820 e um dos primeiros lugares habitados no continente gelado. Nela funcionaram bases científicas do Chile e do Reino Unido, destruídas por uma série de erupções ocorridas nos anos 60 e 70. Águas quentes subterrâneas de origem vulcânica provocam uma espécie de vapor ao longo de toda a costa e proporcionam uma curiosa sensação.

Ao conhecermos Paradise Bay em um belo entardecer, tivemos certeza que o paraíso existe e têm lindas montanhas nevadas, águas cristalinas e icebergs por todos os lados!
E mesmo com toda a calmaria, passamos por grande emoção quando acordamos e nos deparamos com gelo cercando todo o barco! Após uma manobra delicada, conseguimos nos desvencilhar e seguir viagem até Curveville Island, onde há uma grande colônia de pinguins!
Emoção também tivemos ao assistir as baleias Jubarte que de mansinho vieram para perto do barco e nos encantaram com sua imponência e delicadeza.


Hoje partimos da Antártica com a alma enriquecida por momentos mágicos entre paisagens indescritíveis e aventuras emocionantes.

Obrigado a todos que apoiaram e embarcaram conosco nessa conquista. 

Grande abraço
David Schurmann & Família Schurmann”

 

Ônibus-biblioteca “Livros nas Praças” volta a circular



Estácio - 17/03/2015 às 10:45

 

O projeto “Livros nas Praças”, patrocinado pelo pilar Estácio Cultural do Programa Educar para Transformar, Hope e Linha Amarela pelo segundo ano consecutivo, está de volta. Em 2015, o projeto circula de março a julho e irá impactar dez comunidades, sendo seis delas contempladas com estas visitas literárias sobre rodas pela primeira vez.

A primeira parada do ônibus-biblioteca será no dia 17 de março, às 10h30, na Praça do Largo do Estácio, no Rio de Janeiro. Até julho, o ônibus vai percorrer mais nove localidades com objetivo de estimular a leitura de crianças e adultos emprestando livros gratuitamente.

Os visitantes podem ler dentro do ônibus ou escolher um exemplar para levar para casa do acervo de dois mil livros infantis, juvenis e adultos. Em paralelo, acontecem oficinas de leitura e contação de histórias para grupos escolares, crianças e adultos.

Cerca de 80% dos livros são de autores brasileiros como Ana Maria Machado, Thalita Rebouças, Paulo Coelho e Monteiro Lobato. O ônibus-biblioteca oferece ainda 60 livros com ilustrações em braile para crianças, livros em fonteampliada para pessoas com baixa visão,audiobooks para deficientes visuais e 30 livros em braile para adultos. Vale lembrar que o veículo conta com uma cadeira de transbordo, própria para cadeirantes e idosos com dificuldades de subir a escada de acesso, além de banheiro e água mineral para os leitores que utilizarem o ônibus-biblioteca como espaço de leitura.

Confira o calendário do mês de março:

 


Estácio (Praça do largo do Estácio)

17 e 31 de março

Cidade de Deus (Praça Daniel)

24  de março

Bangu (Praça Dolomitas)

28 de março

Vigário Geral (Praça Catolé do Rocha)

21 de março

Complexo da Maré (Guilherme Maxwell)

27 de março

Del Castilho (Praça do Guarda)

20 de março

Curicica (Praça Ventura)

18 de março

Caju (Vila Olímpica Mané Garrincha)

19 de março

Botafogo (Praça Santa Marta)

26 de março

Cachambi (Praça Avaí)

25 de março

 

 

foto-1
foto-2
 

O Rio que é verde



Estácio - 10/03/2015 às 10:30

 

O Rede Escola Rio (RER) – projeto que comemora os 450 anos da cidade do Rio de Janeiro com oficinas multimídia em escolas da rede pública municipal, reiniciou as atividades no dia 27 de fevereiro. Patrocinado pela Estácio via ISS, o projeto envolve a elaboração de curtas-metragens com base na série de livros “As Cores do Rio”, abordando diferentes aspectos da história e da vida da cidade maravilhosa em suas cores predominantes (verde, azul, amarelo, vermelho e branco).

O RER oferece oficinas aos estudantes e educadores, convidando-os a produzir seus próprios trabalhos. A ideia é estimular olhares sensíveis e produções criativas sobre questões que repercutem na construção e na organização urbana. Os participantes são incentivados a buscar, em seus bairros, referências do patrimônio natural e histórico, material e imaterial, refletindo sobre questões como sustentabilidade, por exemplo.

Todos os trabalhos, apresentados em forma de vídeo ou de pesquisa iconográfica, serão expostos no portal do Rede Escola Rio e farão parte de uma coletânea em DVD a ser lançada ao final de cada edição.

O RER iniciou a segunda etapa do primeiro módulo de seu programa, inspirado no livro “O Rio que é verde”. Essa etapa abordará a da relação dos cariocas com a maior floresta urbana do planeta, com suas ruas arborizadas e paredes de concreto. Participarão do módulo, seis escolas municipais localizadas na cidade do Rio de Janeiro.

foto-1
foto-2
 

Estácio apoia galeria de arte a céu aberto



Estácio - 04/02/2015 às 10:15

 

A Estácio e o movimento "Rio Eu Amo Eu Cuido" inauguraram, no dia 20 de janeiro, uma galeria a céu aberto na comunidade Cerro Corá, no bairro do Cosme Velho/Rio de Janeiro, aos pés do Cristo Redentor. Batizado de Galeria Urbana, o projeto tem o objetivo revitalizar uma via pública através da arte, além de incentivar artistas locais a mostrarem seu trabalho e, por consequência, deixar a comunidade mais alegre.

As intervenções artísticas foram realizadas nos muros dos moradores do Cerro Corá e a visitação está aberta a todos os interessados. A inauguração da Galeria Urbana entrou para o calendário oficial do Rio 450 anos.

O Rio Eu Amo Eu Cuido é um projeto sem fins lucrativos, que conta com a ajuda de voluntários e doações de pessoas físicas e jurídicas. Diversas ações serão feitas regularmente para cumprir a missão do movimento: “transformar o comportamento do carioca, conscientizando-o da importância de pequenos gestos e bons hábitos”.

A Estácio patrocina o Rio Eu Amo Eu Cuido através da lei de incentivo.

foto-1
foto-1
foto-1

 

 

Um ano de Grandes Exposições



Estácio - 27/01/2015 às 15:15

 

Localizado no Aterro do Flamengo, o tradicional Monumento a Estácio de Sá foi inaugurado em 1973 para homenagear o fundador da cidade do Rio de Janeiro. Projetado pelo arquiteto Lúcio Costa, ele abriga em seu subsolo o Centro de Visitantes Monumento a Estácio de Sá, que recebe grandes exposições e eventos ao longo de todo o ano. E o melhor: com entrada gratuita.

A Estácio é responsável pela curadoria do espaço, em parceria com a Prefeitura do Rio, e para este ano há uma série de boas exposições programadas, algumas delas relacionadas às comemorações dos 450 anos de fundação da cidade. A primeira delas tem início ainda este mês, no dia 27, e permanece em cartaz até 28 de março. “Perfil Carioca 450 anos” aborda a história, a formação, a cultura e o estado de espírito do carioca, que, assim como a cidade, completa também seus 450 anos. Além dela, o Monumento abrigará as seguintes exposições até o final do ano:

 

  • “Amazônia Selvagem com Richard Rasmunssen” – com fotos e vídeos do “aventureiro profissional” realizados para programas do SBT, Record e History Channel.

 

  • “Exposição submarina da fauna e flora do Rio de Janeiro” – com registros fotográficos de Marcio Lisa, o fotógrafo oficial das produções de Richard Rasmunssen.

 

  • “Exposição de pintura Jardim do Brasil - Rota 450” – com obras do artista plástico Gildásio Jardim, que faz pinturas tridimensionais em Chitas, um trabalho primoroso e reconhecido internacionalmente.

 

  • “Exposição O pão nosso de cada dia de 450 anos” – telas do artista plástico Geraldo Soares.
 

Livro São Sebastião



Estácio - 03/12/2014 às 15:10

 

RIO DE JANEIRO: 450 ANOS

 

Em 1º de março de 2015, a cidade do Rio de Janeiro completará 450 anos de fundação. Para marcar a data, foi elaborado o livro “São Sebastião do Rio de Janeiro, a formação de uma cidade”, com 205 imagens exclusivas do fotógrafo Ivo Gonzalez, do jornal O Globo, texto do jornalista Carlos Haag e prefácio do arquiteto urbanista Carlos Fernando Andrade. Patrocinado pela Estácio por meio da lei de incentivo, o livro foi lançada no último dia 25 e aborda de modo inovador a história da cidade fundada em 1565 e, hoje, Patrimônio Mundial como Paisagem Cultural Urbana.

Além do livro, a Estácio também apoia um documentário sobre o mesmo tema, com lançamento previsto para março de 2015. A edição do livro e do filme partiu de depoimentos de 25 especialistas sobre a cidade – como o arquiteto Nireu Cavalcanti, o compositor Nei Lopes e o escritor Ruy Castro –, além de uma grande pesquisa iconográfica, envolvendo inúmeros livros e registros audiovisuais.

 

foto-1
 

Olhares atentos no Monumento



Estácio - 03/12/2014 às 14:25

 

A mostra "Olhares Cotidianos" reúne belíssimos quadros em aquarela grafite e fotografias dos alunos do Ateliê Chiaroscuro. Exposição apresenta o resultado de meses de aprendizado e treinamento, reflexo de olhares atentos e sensíveis a respeito de nossa cidade.  A abertura da mostra foi um total sucesso completo. No primeiro dia da mostra o monumento recebeu  mais de 160 visitantes num público total no espaço de 200 pessoas entre artistas plásticos, desenhistas, fotógrafos e turistas de outros países e também de outros estados no Brasil. Contatos no espaço monumento@estacio.br.

 

 

 

foto-1
foto-1
foto-1
 

Estácio no II Cine Literário do PONTO CINE



Estácio - 13/11/2014 às 10:34

 

Realizado entre os dias 27 a 31 de outubro, o II Cine Literário do Ponto Cine abordou a relação entre cinema e literatura com a exibição de 10 filmes nacionais seguidos de bate-papos com diretores, roteiristas-adaptadores, atores, escritores, professores e acadêmicos especializados em literatura e em cinema. Voltado para estudantes do ensino secundário do bairro de Guadalupe, na Zona Norte do Rio de Janeiro, o evento exibiu filmes como "Batismo de Sangue", "Até que a sorte nos separe", "Divã", "O tempo e o vento” e "O menino no espelho".

Além de convidados como Frei Ivo (Ives Lesbaupin), um dos retratados no livro e no filme “Batismo de Sangue”, e Gustavo Cerbasi, cuja obra inspirou o filme "Até que a sorte nos separe", os debates contaram com a participação de professores dos cursos de Cinema e de Letras da UNESA, como Flávio Di Cola, Elis Crokidakis, Francisco Lacerda e Wander Lourenço.

Apoiadora oficial do Ponto Cine, a Estácio participou ativamente dos cinco dias do evento. Com apoio de colaboradores e dos alunos de seu curso de cinema, o NUCINE João Uchôa registrou o evento no formato de making of e disponibilizará o material para escolas públicas.

Abaixo link de alguns vídeos registrados pelos nossos alunos do João Uchôa com nossos professores na mesa:

https://www.youtube.com/watch?v=DzTqlHx5Ggk&list=UUIRVi-N38h-JIE4nWmBkY-A

https://www.youtube.com/watch?v=pWEvIL4ug_I&list=UUIRVi-N38h-JIE4nWmBkY-A

https://www.youtube.com/watch?v=reD4VNEsz6M&list=UUIRVi-N38h-JIE4nWmBkY-A

 

foto-1
foto-1
foto-1
foto-1
foto-1
foto-1

 

 

 

Livros nas Praças



Estácio - 11/11/2014 às 17:53

 

Patrocinado pela Estácio, o projeto Livros nas Praças fechou o mês de outubro com um balanço altamente positivo. A biblioteca volante esteve em 10 praças diferentes, emprestou 223 livros e contabilizou a visita de 1.142 pessoas. “Nosso objetivo é levar o hábito da leitura para regiões onde esse hábito não pôde ser estimulado e desenvolvido por um motivo simples: a falta de livros. Não ter uma biblioteca com diversidade de títulos e a possibilidade de empréstimo é uma barreira hoje em dia. A itinerância do Livros nas Praças quer justamente quebrar essa barreira”, explica a idealizadora do projeto, Cristina Figueiredo.

Os visitantes podem ler dentro do ônibus que foi especialmente adaptado para o projeto, onde fica a biblioteca e são realizadas oficinas de leitura e contação de histórias. O empréstimo dos livros é gratuito e, para auxiliar os leitores, o ônibus conta com a presença de três profissionais: dois monitores literários e uma coordenadora, todos formados na área de Letras.

O acervo, doado pela Secretaria Municipal de Cultura, conta com quatro mil títulos, entre livros infantis, juvenis e adultos. Cerca de 80% são de autores brasileiros, como Ana Maria Machado, Thalita Rebouças, Paulo Coelho e Monteiro Lobato. Além disso, são disponibilizados mais de 60 livros em braile, alguns com ilustração em braile para crianças e alguns com áudio, incluindo títulos para jovens e adultos.

A biblioteca fica aberta ao público entre as 10h e as 16h, das terças aos sábados. Mais informações sobre os locais das paradas em: https://www.facebook.com/LivrosNasPracas

Em outubro, o projeto passou pelos seguintes pontos:

Praça do Jardim de Alah (Leblon)
Público: 106 pessoas
Cadastro: 1
Empréstimos: 14
Devoluções: 3

 

Vila Olímpica da Gamboa (Gamboa)
Público: 53 pessoas
Cadastro: Empréstimos: 9
Devoluções: 4

Praça Águia de Ouro (Del Castilho)
Público: 153 pessoas
Cadastros: 2
Empréstimos: 48
Devoluções: 65

 

Parque de Madureira (Madureira)
Público: 84 pessoas
Cadastros: 3
Empréstimos: 9
Devoluções: 10

 

Vila Olímpica do Encantado (Encantado)
Público: 188 pessoas
Cadastros: 5
Empréstimos: 43
Devoluções: 29

 

Praça Argentina (São Cristóvão)
Público: 144 pessoas
Cadastros: 5
Empréstimos: 42
Devoluções: 42

 

Praça do Largo do Estácio (Estácio)
Público: 81 pessoas
Cadastros: 7
Empréstimos: 25
Devoluções: 15

 

Praça do Santa Marta (Botafogo)
Público: 226 pessoas
Cadastros: 5
Empréstimos: 28
Devoluções: 21

 

Vila Olímpica da Maré (Complexo da Maré)
Por motivos de segurança na região não conseguimos atender esta localidade nos dias 03/10, 17/10 e 31/10. Atendemos nesta data a Praça do Largo do Estácio e a Vila Olímpica do Encantado.

 

Praça Seca (Jacarepaguá)
Público: 105 pessoas
Cadastros: 9
Empréstimos: 11
Devoluções: 20

 

foto-1
foto-1
foto-1
foto-1
foto-1
foto-1

 

 

 

Expedição Oriente



Estácio - 06/11/2014 às 10:18

 

Segundo o inglês Gavin Menzies, uma expedição chinesa teria sido a primeira a dar a volta completa ao globo, alcançando o continente americano em 1421, 71 anos antes de Colombo. Para averiguar a teoria, a Família Schurmann organizou sua terceira expedição ao redor do mundo, refazendo o caminho das embarcações do almirante chinês Zheng He: a Expedição Oriente. A Estácio participa da aventura como patrocinadora da expedição, que vai durar 27 meses e percorrer cerca de 50.000km, passando por quatro oceanos, 50 portos, 29 países e cinco continentes.

A expedição teve início em 21 de setembro, quando partiu do Porto de Itajaí, em Santa Catarina e se deteve por alguns dias no Porto de Imbituba, naquele mesmo estado, em função de uma tempestade com ventos de 80km por hora. Passado o perigo, seguiu para Punta del Leste, no Uruguai, enfrentando ondas de 4 a 6 metros. Mas desta vez o vento esteve favorável e ajudou os Schurmann. O destino seguinte foi Piriápolis, balneário localizado a 97 km da capital Montevidéu, onde os expedicionários receberam a visita de um grupo de crianças que estudavam sobre embarcações, fauna e flora marinhas. A Expedição Oriente passará ainda por países como Argentina e Chile, na América do Sul; Austrália, Nova Zelândia e Papua Nova Guiné, na Oceania; China, Indonésia, Japão, Singapura e Vietnã, na Ásia; e África do Sul, Madagascar e Maurício, na África, além de passar pela Antártica e dezenas de outras localidades, antes de seu retorno ao Brasil, programado para dezembro de 2016.

O dia a dia da expedição pode ser acompanhado no www.expedicaooriente.com.br.

 

foto-1
foto-1
foto-1
foto-1
foto-1
foto-1
foto-1

 

 

 

Brasil de TUHU? A Estácio apoia este projeto



Estácio - 04/09/2014 às 15:15

 

foto-1
foto-1

 

A Estácio se uniu à Baluarte Cultura e ao Quarteto Radamés Gnattali para ampliar o programa “Brasil de Tuhu – Educação Musical”, que chega à sua 6ª edição em 2014. O projeto é destinado a promover música clássica para crianças, aprofundar a produção de conteúdo para estudantes da área e, com isso, formar educadores.

 

“Apesar de não termos o curso de música em nossa grade, não tenho dúvida de que ela é um instrumento vital no nosso trabalho. Música é cultura e nos ajuda a trabalhar a sensibilidade do docente, ingrediente essencial nas práticas acadêmicas. Por isso, a nossa decisão de apoiar o Brasil de Tuhu desde o início”, diz a Professora Magda Ventura, Diretora nacional dos cursos de Licenciaturas da Estácio.

 

O projeto já passou por 31 municípios brasileiros e alcançou um público de mais de dez mil crianças. No início, contemplava apenas a realização de concertos para crianças de escolas públicas, mas, a partir de 2011, “Brasil de Tuhu – Educação Musical” expandiu suas frentes e passou a produzir videoaulas. Já em 2012 começou a oferecer suporte na formação de educadores musicais

 

Em 2014, os concertos interativos com o Quarteto Radamés Gnattali, acontecem exclusivamente no Rio de Janeiro (RJ), em lonas e arenas culturais da cidade. Serão 14, ao todo, com programa composto por canções do “Guia Prático”. Além de assistir aos concertos, o público também tem a oportunidade de participar das apresentações, conhecendo os instrumentos e interagindo com brincadeiras musicais.

 

 

VEJA AQUI O CRONOGRAMA DOS CONCERTOS (RIO DE JANEIRO – RJ):

08/08, às 15h – Arena Carioca Fernando Torres – Madureira
13/08, às 10h e às 14h – Arena Carioca Jovelina Pérola Negra – Pavuna
15/08, às 15h – Arena Carioca Dicró – Penha
20/08, às 9h – Lona Cultural Municipal Gilberto Gil – Realengo

20/08, às 14h – Arena Carioca Chacrinha – Guaratiba
21/08, às 10h – Lona Cultural Municipal Terra – Guadalupe

21/08, às 15h – Lona Cultural Municipal Jacob do Bandolim – Pechincha
22/08, às 10h – Lona Cultural Municipal Renato Russo – Ilha do Governador

22/08, às 14h – Lona Cultural Municipal Herbert Vianna – Maré

27/08, às 10h e às 14h – Lona Cultural Municipal Elza Osborne – Campo Grande

28/08, às 10h e às 14h – Lona Cultural Municipal João Bosco – Vista Alegre

 

Rolé Carioca visita São Cristóvão



Estácio - 04/09/2014 às 11:46

 

foto-1
foto-1
foto-1

 

No dia 31 de agosto, ocorreu a segunda rodada do Rolé Carioca em São Cristóvão. O evento contou com a participação de mais de 250 pessoas que se dividiram em dois grupos e saíram para explorar as peculiaridades e curiosidades do bairro. A atividade é uma aula pública sobre a história de ruas e bairros da cidade do Rio de Janeiro e sobre a cultura carioca, que acontece ao ar livre e procura levar o participante a ter um outro olhar sobre a cidade em que vive. Há três anos, a Estácio patrocina o projeto Rolé Carioca por meio da lei de incentivo.

 

O público que acompanhar os professores da Estácio poderá visitar locais de importância histórico-cultural para o Rio e para o Brasil. O passeio é sempre gratuito e para participar não é necessário fazer inscrição, basta comparecer no dia, horário e local marcado. Os próximos bairros serão: Região Portuária, Méier, Praça XV-Castelo e mais um bairro que só será revelado posteriormente.

 

Locais, datas, horários e pontos de encontro:

Região Portuária – 28 de setembro, de 9h às 12h - Ponto de encontro: em frente ao museu MAR.

Bairro Surpresa – 19 de outubro, de 9h às 12h.

Méier – 30 de novembro, de 9h às 12h - Ponto de encontro: Praça Agripino Grieco – Rua  Dias da Cruz.

Castelo - Pça XV – 25 de janeiro, de 9h às 12h - Ponto de encontro: Praça XV em frente  ao Paço Imperial.

 

 

Estácio celebra 18 anos do curso de Arquitetura e Urbanismo com série de debates e rih3obre a vida de Sérgio Bernardes



Estácio - 26/08/2014 às 11:18

 

A Estácio promove até setembro o "Circuito Estácio do filme Bernardes", série de debates seguidos da exibição do documentário “Bernardes” – patrocinado pela Estácio por meio da lei de incentivo -, que mostra a trajetória do célebre arquiteto brasileiro. O circuito marca o início da celebração dos 18 anos do curso de Arquitetura e Urbanismo da Estácio e tem objetivo de divulgar a obra de Sérgio Bernardes entre futuros arquitetos e urbanistas, além de transmitir para a nova geração uma importante parte da história da arquitetura do Brasil.

A abertura do evento foi realizada no dia 13 de agosto no MAR (Museu de Arte do Rio). A mesa redonda no MAR teve a presença de Thiago Bernardes, neto de Sérgio, autor do projeto do MAR e também do argumento que deu origem ao documentário; Carlos Eduardo Nunes-Ferreira, diretor nacional da Associação Brasileira de Ensino da Arquitetura e Urbanismo; Igor de Vetyemy, coordenador do curso de Arquitetura e Urbanismo da Estácio; Sydnei Menezes, presidente do Conselho de Arquitetura e Urbanismo; Vicente Giffoni, presidente da Associação Brasileira de Escritórios de Arquitetura; e Edivaldo Souza Cabral, presidente do Sindicato de Arquitetos do Rio de Janeiro.

Após o debate, o documentário “Bernardes” foi exibido. O filme, que está na seleção oficial do festival “É Tudo Verdade”, será apresentado também nos campi da Estácio que oferecem o curso de Arquitetura e Urbanismo, em três estados: Rio de Janeiro, Ceará e Santa Catarina.

“Neste ano festivo para o curso de Arquitetura e Urbanismo, queremos fomentar a discussão de temas essenciais à prática de projeto arquitetônico, oferecer uma possibilidade real de diálogo dos nossos estudantes com a comunidade arquitetônica e reforçar entre eles a cultura da participação em atividades extracurriculares”, afirma Igor de Vetyemy.

AGENDA DE EXIBIÇÃO DO FILME:

18 de agosto: Campus Tom Jobim, da Estácio, na Barra (RJ).
29 de agosto: Campus da Estácio em Niterói (RJ).
05 de setembro: Campus da Estácio em Petrópolis (RJ).
09 de setembro: Campus da Estácio Centro IV, na Praça Onze (RJ).
19 de setembro: Campus Via Corpvs, em Fortaleza (CE).
26 de setembro: Campus da Estácio Assesc em Florianópolis (SC).

foto-1
foto-1
 

Família Schurmann e Estácio Rumo ao Oriente



Estácio - 06/11/2014 às 19:25

 

No dia 21 de setembro, a Família Schurmann se lançou ao mar para a Expedição Oriente, patrocinada pela Estácio. A expedição traz inovações, várias delas no Veleiro KAT, construído pensando na sustentabilidade e na utilização eficiente de água e energia no veleiro. Partindo de Itajaí (SC), os Schurmann vão passar por Ushuaia, Brisbane, Auckland e diversas outras regiões, portos e cidades do mundo na sua rota até a China. Os navegadores pretendem ainda realizar pesquisas científicas e produzir um documentário.

Como forma de aquecimento, nos dias 25 (Guarujá) e 30 de agosto (Rio de Janeiro), alunos e colaboradores embarcaram em uma velejada com os Schurmann. O Capitão Vilfredo e a Gerência de Comunicação e Sustentabilidade receberam a tripulação Estácio para um passeio, repleto de boas histórias e um almoço a bordo. Os alunos foram selecionados através de um concurso cultural realizado em conjunto com a equipe de Marketing da Estácio.

 

foto-1
 

Expedição Oriente na Terra do Fogo



Estácio - 12/02/2015 às 12:20

 

A intrépida família Schurmann continua em Ushuaia, a cidade mais austral do mundo, no sul da Argentina. Enquanto não chega a hora de partir para Antártica, nossos viajantes exploram a capital da Terra do Fogo por mar, por terra e pelo ar, explorando paisagens e conhecendo aventureiros como o casal Malafaia e Natale, que saíram do Rio de Janeiro com os filhos Júlia (9 anos) e Pedro (1 ano) em um charmoso motorhome. O destino da família é o Alaska.

Na Terra do Fogo, os Schurmann já enfrentaram cavalgadas, trilhas com veículos 4x4 e acampamentos, além de terem experimentado uma das especialidades gastronômicas da região, a centolla – um tradicional prato de frutos do mar –, num restaurante local com um nome bem sugestivo: Volver!

Numa cortesia da Secretaria de Turismo de Ushuaia e da Heliushuaia Volar, a equipe da Expedição Oriente foi conduzida em três helicópteros para ver a região de cima. Ficou curioso? Acompanhe tudo pelo site www.expedicaooriente.com.br e pelo Facebook da Expedição Oriente, as fotos são imperdíveis!

foto-1
foto-2
 

Aventuras e encantos do fim do mundo



Estácio - 11/03/2015 às 10:20

 

Antes de embarcar para a Antártica, a Expedição Oriente da Família Schurmann explorou uma série de pontos importantes no extremo sul de nosso continente. A começar pela Ilha dos Estados, palco do romance o “Farol do Fim do Mundo”, de Julio Verne, e habitada apenas por leões-marinhos. Da ilha, a expedição passou pelas Baías de Puerto Cook e Puerto Parry, onde foram recebidos pelos quatro únicos moradores do local e aguardou uma semana antes de enfrentar o temido Estrecho de Le Maire, uma região de difícil navegação com fortes ventos e ondas de mais de 10 metros.

Vencido o Estrecho, os Schurmann ancoraram em Ushuaia, na Patagônia, sua última parada antes da Antártica. Na cidade mais austral do mundo, foram recebidos por um brasileiro: Mário. Com ele, fizeram uma trilha de 4x4, cavalgaram e acamparam à beira do gigantesco lago Fagnano, com quase 100 km de extensão. Nos dias seguintes, conheceram a impressionante Laguna Esmeralda, o Monte Cinco Hermanos, o Parque Nacional Tierra Del Fuego e o Cerro Vinciguerra, de onde partiram de helicóptero para conhecer Ushuaia pelos ares.

Na capital da Patagônia, os Schurmann conheceram outras duas famílias de aventureiros. O casal argentino Mai e Lautaro, que viajou de bicicleta por cinco semanas e mais de 1500 km com o filho Homero, um bebê de 10 meses, na garupa. E os Malafaia – Marcos, Natale e os filhos Júlia (nove anos) e Pedro (um ano) – que percorrerão cerca 90 mil quilômetros entre o Rio de Janeiro e o Alaska a bordo de seu charmoso motor home.

Encantados com as pessoas, histórias, montanhas e aventuras do Fim do Mundo, os Schurmann se preparam para a explorar a Antártica, cumprindo mais uma etapa da Expedição Oriente.

 

foto-2
foto-2
foto-2
 

Projeto Livros nas Praças – Ônibus-biblioteca



Estácio - 07/04/2015 às 17:20

 

Patrocinado pela Estácio, o projeto Livros nas Praças fechou o mês de março com um balanço altamente positivo e uma grande notícia, agora são duas bibliotecas itinerantes percorrendo as praças do Rio de Janeiro: o Ônibus Biblioteca Azul e o Ônibus Biblioteca Vermelho. Para obter informações sobre o projeto e conhecer seus itinerários, acesse: https://www.facebook.com/LivrosNasPracas.

 

Entre os dias 17 e 31 de março, o Livros nas Praças esteve em 11 locais, emprestou 107 livros e recebeu a visita de mais de 900 pessoas.